Como te sentes em relação à Coragem?

Permitiste-te a possibilidade de experimentares, mesmo que por um breve instante, as ferramentas – ou algumas delas – que (creio que cada vez estás mais seguro desta certeza), estão em ti? Espero que sim! E, se foi esse o caso, como te sentiste ao fazê-lo?

Quando começamos a permitir acolher cada uma das nossas partes, a conhecermo-nos e a descobrir em que localizações do nosso Ser temos as ferramentas guardadas, vamos adquirindo clareza.

Se tens vindo a dar os teus passos, acompanhando-me nesta jornada, com certeza que agora te é mais fácil compreender que, a partir do momento em que o nosso ponto de vista sobre uma determinada situação ou evento muda, a nossa perceção muda também. A mudança de perspetiva gera mudança de perceção e, no exato momento em que estas mudanças ocorrem, ficamos reconectados com o Caminho do Amor.

Como as imagens são preciosas para nos ajudarem na assimilação de conceitos, a que se segue é um bom exemplo da ideia que acabei de descrever.

Caminho do Meio

Num lado, temos o caminho do medo. Do outro lado, temos o Caminho do Amor. E à medida que vamos seguindo pelo caminho da Vida, com as mudanças de perceção que vamos fazendo, facilmente nos colocamos num dos lados.

Gerando energia, – e continuando a estabelecer a analogia com o átomo – afastamo-nos do núcleo que nos absorve e mudamos a nossa realidade. Damos um salto quântico para o lado do Amor, expandimos a nossa Consciência, abrangemos novos horizontes e elaboramos uma mudança estrutural nos nossos padrões mentais, abastecendo-nos da força que nos permite construir a base para sustentar e criar os nossos sonhos.

No entanto, perdendo essa mesma quantidade de energia, damos um salto quântico que nos coloca de novo junto ao núcleo, dentro do caminho do medo.

E embora o Caminho do Amor seja o da Abundância, aquele por onde, provavelmente, gostaríamos de nos mover o tempo todo, o certo é que, ao longo da Vida, vamos “saltitando” entre os dois.

E é bom que assim seja. É nesta dualidade que nos vamos desenvolvendo, aprendendo e evoluindo. O medo também faz parte da Vida e, como tudo o que nela existe, também deve ser acolhido e integrado em nós. Isto não significa que permaneçamos no seu caminho, mas que temos de contactar com ele. Só conhecendo a escassez somos capazes de reconhecer a abundância. E esta é apenas uma das vertentes positivas do caminho do medo.

Contudo, a positividade que é possível encontrar no caminho do medo é algo que poderá ser abordado num próximo texto. Por agora, e porque já há tantas semanas nos tem acompanhado, gostaria de destacar, como tão bem ela merece, a palavra, a ferramenta, a chave: Coragem.

Afinal, estes são dias em que, de forma mais ou menos consciente, acabamos por fazer um balanço das experiências vividas ao longo do ano que se despede e deparamo-nos a projetar metas, objetivos, conquistas… sonhos, que queremos converter em práticas a serem desfrutadas ao longo dos meses que estão prestes a brotar, repletos de dias conotados com a subtil leveza das novas oportunidades.

E há um elemento que é comum a todos estes marcos. Consegues identificá-lo? O fator que se constitui como elo de ligação entre as metas, os objetivos, as conquistas e os sonhos é: a mudança.

Qualquer mudança ou transformação que desejamos fazer, envolve sempre que saiamos do muro que construímos à nossa volta – da tal torre ao estilo Rapunzel. E, como já constatámos antes, quando saímos de lá, deparamo-nos com o desconhecido.

Esse é um momento que se constitui como um grande desafio porque, somos imediatamente confrontados com a sensação de que não temos todos os recursos, talentos, conhecimentos, habilidades, ferramentas… para conseguir vencer esse mesmo desafio.

E realmente podemos não ter todos os recursos necessários. Podemos não ter conhecimentos ou habilidades suficientes mas, as ferramentas estão todas em nós, incluindo aquelas que nos permitem desenvolver os tais conhecimentos e habilidades. Porém, como podemos não nos lembrar da localização exata da ferramenta que precisamos ou da melhor forma de a utilizar, somos toldados com a sensação de que não a temos. É mera aparência. Contudo, se nos deixarmos levar por ela, lá ficamos nós a girar à volta do núcleo, sempre na mesma órbita.

Portanto, este é o momento determinante para que consigamos criar Coragem. Coragem para nos arriscarmos numa situação, numa experiência completamente nova, sem termos todo o know-how que gostaríamos de ter.

A poucos dias daquela que é a altura do ano em que, muito provavelmente, o estabelecimento de metas, objetivos e sonhos atinge o seu auge, venho convidar-te a gerares a tua Coragem.

Como? Lembrando-te dos momentos em que a sentiste.

Consegues identificar alguns momentos da tua vida em que sentiste Coragem?

E hoje? O que farias na tua vida, hoje mesmo, se conseguisses gerar Coragem?

Pensa num micro-sucesso, por muito pequenino que seja, que consigas obter hoje. E agora: vai e faz!

Compromete-te a ter presente esta postura perante cada sonho que queres concretizar no próximo ano. Estabelece a tua Coragem, salta de órbita e, se esses sonhos movem o teu coração, entrega-te com o teu Ser a cada um desses desafios.

São estes os meus votos para ti. Para nós! Que tenhas um 2018 repleto de bons saltos!

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

 

Anúncios

One thought on “Como te sentes em relação à Coragem?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s