Pelo outro ou por mim? – 1.ª parte

Estou sem escrever há tanto tempo que, agora, que finalmente me predispus a fazê-lo, encontro-me a ser invadida por uma sensação de nervoso miudinho, como se estivesse a duvidar da minha capacidade de retomar o trabalho que por aqui iniciei antes.

Sempre tão matreira esta voz da Resistência… Sempre tão atenta e perspicaz. Sempre prestes a infiltrar-se por uma qualquer ínfima fissura que lhe coloquemos à disposição.

Se bem que, parte deste nervoso miudinho também se deve a uma certa complexidade do tema. Afinal, o que existe de mais complexo do que os relacionamentos?

Sejam eles quais forem, sejam eles com quem forem, toda a nossa vivência é estabelecida e realizada com base em relacionamentos.

Eles são o que temos de mais comum na nossa condição humana. No entanto, por muita experiência, conhecimento e tempo de vida que tenhamos, deparamo-nos, persistentemente, com questões que estimulam, instigam e desafiam a nossa capacidade de nos relacionarmos, quer seja com os outros, quer seja connosco, quer seja com quem somos em relação aos outros…

Enfim, o tema é tão vasto que nos requer uma vida inteira (no mínimo 🙂 ) para aprimorá-lo.

E a questão levantada pelo título toca no cerne de algo que costuma ser presente e transversal a todos os relacionamentos: a nossa tendência de dizer – e realmente acreditar – que fazemos o que fazemos pelo outro.

Trata-se, inclusive, de uma questão que surge com alguma frequência em conversas com uma amiga pois, quando lhe digo que o que fazemos é sempre por nós próprios, ela remata sempre com o “Não tens filhos, não sabes.”

Obviamente, trata-se de um argumento que ela me pode devolver sempre, porque não tenho realmente filhos. Contudo, e talvez por todo o trabalho de reflexão feito anteriormente, e que tem vindo a permanecer em expansão, aquele argumento não entoa em mim, por muitas vezes que eu o ouça.

De facto, não tenho qualquer conhecimento de causa sobre o desafio que é relacionar-me com um filho mas, consigo conceber que toda a Vida é feita de desafios e que, a maneira como lidamos e agimos perante eles, depende do Ser de cada um.

Por outro lado, a vida permitiu-me vivenciar algumas experiências da outra via desse relacionamento: relacionar-me com os pais.

E tenho de confessar que, apesar de tudo o que acabei de escrever, fui tomada por uma dose de choque e de apreensão quando li pela primeira vez este trecho:

“Como seres humanos normais e “bons”, agimos eternamente por interesse próprio. Somos essencialmente egoístas.”

John C. Parkin, fuck it – Que Se Lixe!

Isto foi lá em 2009 e, mesmo sem ter filhos, eu alcançava esse paradigma de fazer algo pelos outros pois, essa era uma postura que eu fazia por assumir perante as pessoas que tinha como próximas e relevantes para mim.

Repararam nestas últimas palavras? Ao escrevê-las, surgiu-me logo a sensação de que, só por aqui, já se denota a diluição daquele paradigma. Afinal, quem é que considerava determinadas pessoas como próximas? Quem é que lhes atribuía relevância? Era eu, não era? Claro que sim. Portanto, a ideia de que faço o que faço por mim, sempre, adquire logo espaço de existência.

Porém, naquela altura, eu ainda não tinha efetuado qualquer observação e reflexão sobre esta temática e estava efetivamente convencida de que muitas das minhas ações eram feitas pelos outros.

Mais… apesar de ser de modo inconsciente, tinha presunção e arrogância suficientes para considerar que essas ações teriam significado efetivo e real na vida dos outros.

Nooossa…

Portanto, ao ler “agimos eternamente por interesse próprio”, muitas das minhas atitudes e ações que, até àquele momento, estavam categorizadas nos meus juízos de valor como sendo algo “de bom”, foram imediatamente colocadas em cheque.

A dúvida, aproveitando-se do momentâneo estado de surpresa, ainda fez por insistir em permanecer. Afinal, eu tinha vivido com essa crença durante todo o meu tempo de vida até então. Para além disso, havia um tipo de relacionamento que, embora não fosse do meu próprio conhecimento vivencial, eu concebia como sendo aquele em que realmente se faz algo pelo outro: o dos pais em relação aos filhos.

Só que no corpo do texto daquele capítulo do livro, escrito por um pai, estavam as seguintes palavras:

“Se tem uma família à sua volta e quiser argumentar que não faz as coisas por si mas pela sua família, pergunto-lhe: Porque constituiu família em primeiro lugar? Não foi por si? Não retira prazer de sustentar e de estar com a sua família? Se é assim, então também está a fazê-lo por si.”

E a ficha caiu.

Não porque tenha sido um pai ou um autor a escrevê-lo. Nem sequer porque eu tenha optado, deliberadamente, por estabelecer uma mudança em mim. Mas, naquele momento, eu senti: “Pois é, tudo o que fiz foi sempre por mim.”

E senti-o com bastante ênfase na palavra “sempre”.

À primeira vista pode parecer uma palavra algo excessiva que, de certa forma, condiciona o nosso espaço de ação. No entanto, desde que me tenho por gente até àquele ponto do tempo, e desde aquela altura até este instante em que me encontro a escrever, ainda não existiu uma circunstância na minha vida que lhe tenha servido de exceção.

Mesmo que na minha intenção de ação esteja incluída outra pessoa, eu sou movida a agir por aquilo que considero importante. Viável. Plausível.

Tudo o que fiz foi sempre por mim porque, todas as minhas ações, foram sempre desencadeadas pelas crenças, valores e paradigmas que trago dentro.

É certo que se pode retorquir que muitas dessas crenças, valores e paradigmas me foram transmitidos pelos outros. Contudo, quem é que escolheu acreditar neles e tomá-los como seus?

Pois é! Sempre eu.

No teu caso, sempre tu.

Engraçado! Agora que estou para aqui a escrever e a pensar nisto tudo, inevitavelmente, os registos de algumas memórias de infância vieram ter comigo. E, pelo olhar que me é possível ter em 2018, fica evidente, com uma profundidade que ainda não tinha alcançado que, no âmago de toda esta questão, os meus pais, no que aos filhos diz respeito, efetivamente, fizeram o que fizerem sempre por eles próprios. Por aquilo que eles consideravam como sendo o melhor, tanto para mim, como para o meu irmão.

E face a alguma ponta de dúvida que ainda espreite com o vislumbre da vontade de crescer, basta constatar que, perante o mesmo filho, numa mesma situação, os progenitores têm posturas diferentes. E não se trata apenas da postura de um pai ser diferente da de uma mãe. Trata-se de pai e mãe serem, acima de tudo, duas pessoas, dois seres humanos, com particularidades que são de cada um.

Perante um mesmo cenário, um filho não age exatamente igual a outro. Por sua vez, um pai também não age exatamente igual a outro. Assim como uma mãe também não age exatamente igual a outra, precisamente porque, a categoria que denomina o lugar de cada um na relação, que merece ser respeitada pela ordem que ajuda a estabelecer, não determina o nosso modo de ação.

Toda a ação, de qualquer ser humano, é motivada por aquilo que ele traz dentro.

No fundo, somos mesmo egoístas. Só que, ao contrário daquilo que foi sendo apregoado pela sociedade em geral – e que é a razão subjacente do nosso estado de choque quando nos deparamos com tal afirmação – está tudo bem em sermos assim.

O egoísmo não faz de nós “más” pessoas. Aliás, etiquetar as pessoas como “boas” ou como “más” é algo que cada vez me faz menos sentido. Todavia, e tal como tudo na Vida, o egoísmo pode ser exercido num de dois caminhos: medo ou Amor.

Portanto, abraça o egoísta que há em ti.

Ao acolhê-lo como uma parte tua, colocas-te em movimento no Caminho do Amor. E à medida que fores avançando, com um passinho a seguir ao outro, saberás que é aí que podes viver a plenitude do teu egoísmo, assim como a totalidade do teu Ser. Afinal, esse é o caminho em que te podes exercer em total responsabilidade… e liberdade!

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Em 2009, quando terminei de ler o capítulo ”Diga Que Se Lixe e Seja Egoísta”, do fuck it – Que Se Lixe!, disse a mim mesma algo do género: “Um dia ainda vou escrever sobre o egoísmo, fazendo referência ao ser-se egoísta pelo medo ou pelo Amor.” Hoje chegou o dia. 🙂 Olha eu a cocriar! Oh, yeah! 😉

Susana Martinho

Anúncios

Vamos semear Sonhos? – 1.ª parte

Se uma árvore, para quem a observa e consegue sentir a alegria que remanesce dessa contemplação, pode ser um sonho, então, já reparaste na importância que pode ter uma simples semente no processo de manifestação desse mesmo sonho?

No caso das árvores, e das plantas em geral, ao contrário do que sucede com outros espécimes da Natureza, elas estão mais limitadas em relação à procura de condições favoráveis para o seu crescimento e desenvolvimento. Assim, no decorrer do seu processo evolutivo, elas foram desenvolvendo vários mecanismos para se dispersarem e distribuírem pelo mundo através de sementes.

E apesar de, em tamanho, uma semente poder ser minúscula quando comparada com a plenitude da árvore que dela resultar, a sua importância é extremamente vital em todo o processo da manifestação do sonho que é a árvore. É no seu interior que habita toda a informação necessária para que essa árvore se possa formar em todo o seu esplendor.

E num planeta habitado, para além de inúmeras árvores e plantas, por bem mais de 7 mil milhões de pessoas, sendo, cada uma delas, uma essência singular no mundo – um único sonho manifestado – é natural que cada um de nós traga em si os seus próprios sonhos para realizar. As suas próprias sementes para semear.

As nossas sementes são os nossos desejos. E todos os desejos que conseguimos pensar contêm em si todo o potencial e informação necessários para que os consigamos manifestar. Porém, assim como as sementes das plantas precisam de chegar a uma região onde estejam reunidas as condições ideais e favoráveis à sua germinação e crescimento, as sementes dos nossos sonhos também necessitam de condições propícias à sua manifestação.

As condições que somente cada um de nós, através das escolhas que faz a cada instante, pode proporcionar. E como cada escolha que faço me coloca num de dois caminhos – medo ou Amor -, e como as nossas escolhas são pessoais e intransmissíveis, sou eu quem escolhe o terreno, o solo, para acolher as sementes dos meus desejos. És tu quem escolhe o teu.

Portanto, onde é que queres semear os teus sonhos?

Dos dois caminhos entre os quais vamos caminhando pela Vida, apenas um tem um solo fértil em Abundância. Há apenas um caminho onde, aconteça o que acontecer, tudo o que brota no seu terreno dá certo. Tudo flui. Um caminho onde tudo o que ocorre serve um bem maior, embora nós, devido ao facto de estarmos turvados pela identificação com os nossos medos e resistências, tenhamos imensa dificuldade em reconhecê-lo. Dificuldade essa que surge quando nos estamos a mover pelo caminho do medo, onde também semeamos sonhos, sem repararmos que o solo onde deitamos as nossas sementes é árido, compacto e denso, o que impede o oxigénio de circular para que possa ser absorvido pelas sementes.

Quando seguimos pelo caminho do medo, é apenas com medos que podemos regar as sementes dos nossos sonhos. Mesmo assim, admiramo-nos quando eles germinam mirrados e ressequidos, e pensamos que não foi nada daquilo que semeámos… e que realmente sonhámos.

Contudo, se é no terreno da escassez do caminho do medo que semeias os teus sonhos, lembra-te que o super-poder de escolha é teu! E que o Caminho do Amor, apesar de lhe ser oposto, segue paralelo ao caminho do medo. Portanto, se consegues escolher estar num, também consegues escolher estar no outro.

Neste ponto, sou remetida para esta imagem que já coloquei noutro texto:

Caminho do Meio

E que creio que nos ajuda a perceber que é realmente fácil transitarmos de um caminho para o outro. Basta que mudemos a nossa perceção. A maneira como nos focamos, interpretamos e sentimos nas diversas situações.

Portanto, é fundamental que te acolhas! Que te sintas. Que te permitas Ser.

Sente-te. Aceita quem És. Sê quem és no mundo. Sem julgamentos. Sem culpas. Sem sequer estares preocupado com a eventual duração desse sentimento. Neste momento, não importa se o consegues fazer por muito ou pouco tempo. Se é um sentimento que vai permanecer contigo ou não.

Agora – no Agora – importa apenas que sintas.

Sente! Mais e mais. Vibra pela alegria de te permitires Ser.

Tu tens uma fábrica de emoções dentro do teu peito. Deixa que ela produza essa emoção até que ela se espalhe por todo o teu Ser. E é neste instante em que dás o salto para o Caminho do Amor, que estás também repleto dos nutrientes necessários para o plantio dos teus sonhos.

Ao nutrires Amor por TI, automaticamente, forneces os nutrientes essenciais para que as sementes dos teus sonhos, os teus desejos, possam germinar.

Por isso, quando estiveres na berma desse terreno fértil, nutre o Amor por Ti. Respira profundamente. Coloca uma mão no peito e sente o pulsar do teu coração. E quando o sentires, diz a ti mesmo, verbalizando as palavras de maneira a que a vibração da sua energia se espalhe por ti e à tua volta: Eu gosto de ti!

Acolhe tudo o que sentires no momento em que verbalizares estas palavras. E mesmo que seja apenas por uma mera fração de segundos, permite-te gostar de ti. Sê gentil contigo.

E agora sim, semeia. Semeia os teus sonhos e nutre-os com esse sentimento.

O teu Amor-Próprio é a seiva dos teus Sonhos!

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

O nosso verdadeiro trabalho é SER. É sonhar! – 1.ª parte

Acredito que algumas pessoas, ao se depararem com o título que atribuí a este texto, sem estarem dentro dos conteúdos aqui abordados anteriormente, possam pensar aquilo que também já pensei: que sonhar é um equívoco, uma ilusão. Pura perda de tempo…

Se esse é o teu caso, sugiro-te que leias primeiro cada uma das partes da temática “Como te sentes em relação a sonhar?”: 1.ª parte, 2.ª parte, 3.ª parte e 4.ª parte.

Por outro lado, se és um dos leitores que me tem vindo a acompanhar, creio que facilmente percebes que o título deste texto vem no fluir da mensagem partilhada no anterior.

Cada um de nós, na sua energia, na sua essência, é um sonho manifestado. Como tal, o nosso verdadeiro trabalho no Mundo, é exercer a energia que somos. É Ser. E, se somos um sonho, o nosso trabalho também é sonhar.

E nós fazemo-lo!

Porém, na maioria do tempo, não só devido aos desvios que fomos fazendo ao longo da vida para o caminho do medo, mas também, pela cultura dos meios de comunicação social que, no seu incentivo ao forte consumismo, nos coloca constantemente diante de imagens que facilitam o processo de afastamento da nossa conexão, nós sonhamos de forma inconsciente. Fora do nosso centro. Em desalinhamento com o nosso Ser.

Ou seja, se por um lado, de cada vez que escolhemos reprimir ou suprimir uma parte de nós; de cada vez que não nos sentimos merecedores da generosidade da Vida, que pode chegar-nos sob as mais diversas formas; de cada vez que escutamos e validamos a voz da Resistência; estamos a escolher seguir o caminho do medo; por outro lado, de cada vez que escolhemos ir atrás, muitas vezes em modo de esforço e de luta, das imagens que nos são incutidas como bens necessários a Ter, para podermos Ser felizes, estamos a escolher seguir por esse caminho igualmente. Em termos energéticos, estamos a vibrar pela frequência do que não temos.

Se precisas de ter, é porque te está em falta e, se sentes que te está em falta, estás a vibrar pela escassez. E o Universo é um eco. Ele devolve tudo aquilo que emanamos…

Quando enveredas pela busca do Ter para Ser, começas a percorrer a via que, aos poucos, te vai levando para longe de TI, porque ser, tu já és. Mas, se te predispões a ir buscar o Ter para Ser, todos os passos que deres nesse sentido vão-te levar à desconexão. Ao desalinhamento. E quanto mais avançares nesse caminho, maior será a distância a que ficarás do teu centro. Maior será a distância que terás de percorrer de volta para TI…

Porém, continuas a ser um sonho. Continuas a sonhar. Só que sonhas dentro da vibração de tudo o que achas que te falta. De tudo o que já não te lembras que és. E é aí que surgem materializados aqueles que chamamos de sonhos falhados, mas que não deixaram de ser sonhados.

Portanto, se és um sonho e és livre para sonhar, e a tua liberdade anda de mãos dadas com a tua responsabilidade, cabe-te assumir a tua responsabilidade de sonhar. E assumir a tua responsabilidade dá… trabalho!

O verdadeiro trabalho para a vida! O verdadeiro trabalho que temos de realizar.

E, dependendo do caminho em que te estás a mover, no momento em que acabares de ler estas palavras, poderás entender esse trabalho como algo penoso, árduo e incrivelmente difícil de se concretizar. Ou – e espero que seja por este caminho que estejas disposto a seguir cada vez mais -, poderás entender que, apesar do trabalho que envolve, descobrir quem és; para que o possas SER; e para que possas concretizar o que podes sonhar, dentro do Sonho que és; é simplesmente a jornada mais incrível de todas. É o trabalho mais extraordinário que poderás exercer.

É ou (não) é fantástico sentires que és um sonho que pode sonhar?

Não sei qual será a tua reação ao ler esta pergunta mas, eu, não consigo evitar sorrir à medida que vou alinhando as palavras que aqui escrevo. E se estou feliz, estou a sonhar de acordo com quem Sou!

E tu, neste exato momento, consideras que estás a sonhar de acordo com quem és?

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Como te sentes em relação a sonhar? – 1.ª parte

Antes de ter formatado o computador e ter mandado tudo ao ar, o texto que eu já tinha delineado passava pela partilha do meu testemunho pessoal em relação à temática abordada nestes textos mais recentes: resoluções, objetivos… e sonhos!

Como partilhei convosco aqui, durante muito tempo, fiz por me manter a girar no círculo da realização dos rituais gerados em torno das resoluções de Ano Novo. Ao mesmo tempo, acreditava que era possível sonhar e que os sonhos só se concretizavam através de um investimento pessoal muito específico, que normalmente se expressa através do esforço… da luta!

E foi nesse registo de esforço e de luta que concretizei aquele que considero que foi um dos maiores sonhos da minha vida, até ao momento – ser professora do 1.º ciclo do ensino básico.

Não sei se terás percebido a subtileza contida nas últimas 8 palavras do parágrafo anterior. Eu, como acabarás por entender, demorei anos a percebê-la…

Ser professora do 1.º ciclo foi realmente o grande sonho da minha vida, no qual investi esforço e luta até porque, aquilo que era – ainda é – apregoado, é que temos de ir à “luta” pelos nossos sonhos.

O investimento de esforço, assim como a importância atribuída ao exercer da profissão, foi-me sempre tão grande e de tanto valor que, quando a vida foi soberana e me retirou qualquer probabilidade de voltar a ingressar na atividade, o chão saiu abruptamente debaixo dos meus pés.

Como essa reviravolta da vida aconteceu numa altura em que os indícios apontavam no sentido da oportunidade de exercer a profissão se tornar mais definitiva, instantaneamente, senti-me a entrar em queda-livre, com a consciência de que estava a cair num buraco de uma profundeza imensa. E, ao mesmo tempo que era dilacerada pela dor da perda, sentia a inquieta perturbação da dúvida da capacidade de sair do lugar por onde tinha acabado de me aprofundar.

Este foi também o momento determinante em que escolhi deixar de sonhar. Naquela altura, constituí o facto de ter sonhado como o grande responsável pelo sofrimento pelo qual estava a passar e comecei a considerar que, esse gesto de idealizar o que quer que fosse que quisesse concretizar ou obter, era somente a construção de uma enorme ilusão, de um engano… de uma esperança completamente irrealizável.

Sonhar, simplesmente não valia a pena… era apenas tempo perdido.

E tempo, numa dose considerável, foi também o que necessitei para atingir o fundo daquele poço e, de tão fundo que o cavei, outra dose em igual medida foi requerida para de lá sair.

Quando me senti de novo a pisar chão debaixo dos pés, deixei para trás, não só o caminho que me levava àquele lugar, mas também a vontade de sonhar…

Fui bastante perseverante em manter a firmeza da ideia de que sonhar era um equívoco. Para terem uma noção, os acontecimentos que aqui vos relatei aconteceram entre 2011 e 2012 e, só em 2017, voltei a ficar recetiva em relação à ideia de se poder sonhar.

Creio que demorei tanto tempo porque, as primeiras lições que eu retirei da situação não eram as mais importantes a reter.

Um dos ensinamentos que aprendi com aquele desenrolar de eventos, foi a não atribuir tanta importância à profissão que eu estiver a exercer, no sentido de não encará-la como definitiva.

Porém, a lição mais importante, que tenho de fazer por ter presente, e que só tomei consciência dela no ano passado, foi: eu não sou aquilo que faço!

Mas eu considerava que era… e não se tratava apenas de uma questão semântica.

SER professora era mesmo a forma como eu vivia não só a profissão, mas a Vida! De forma a compensar outras lacunas que considerava que tinha na minha vida, fiz da profissão o meu ser e projetei para ela tudo aquilo que me seria importante.

Colocado desta forma, fica muito mais fácil perceber a razão de ter caído num buraco tão fundo, quando me vi sem possibilidade de a exercer, não é? A sensação que tive na altura foi a da vida a fugir-me, levando com ela tudo o que me era essencial.

Não sei quanto a ti mas, no que a profissões diz respeito (e não só) creio que somos muitos os que acabam por aglutinar estes dois conceitos: ser e ter. É com extrema facilidade que devolvemos uma resposta começada por “Sou…”, quando somos questionados sobre o que fazemos na vida profissionalmente.

Tu não és o que fazes! SER, tu já és! Sempre foste. Desde que nasceste e talvez até antes disso. A profissão é algo que tens, que exerces, que fazes.

E o que é que isto tudo tem que ver com sonhos? Pois, lá vou eu começar mais uma “partitura”. 😀

Quanto a ti, conta-me, respondendo com a primeira ideia que te surge na mente: se eu te perguntasse agora “O que fazes na vida em termos profissionais?”, com que palavra iniciarias a tua resposta?

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Objetivos… mas com Flexibilidade – 1.ª parte

Antes de mais, aproveito para vos dar as boas-vindas a 2018, dentro deste espaço que também é vosso. A todos os que o partilham comigo, cá estamos recém-chegados, a um Ano recém-nascido, ainda no fulgor do estabelecimento de metas e objetivos nos quais, muitos de nós, incutem a carga da esperança de “desta vez é que é”, como se fosse neste novo ano que, finalmente, nos dotássemos da coragem para cumprir com aquela(s) meta(s) que, a cada virar de ano, colocamos na lista de resoluções e que, no final de todos eles, percebemos que contribuímos apenas para o prolongar da continuidade de um sentimento de irresolução.

É com esta extrema facilidade que formamos o círculo vicioso em que a nossa maior resolução de ano novo é elaborar, constantemente, uma irresolução…

Durante alguns anos fiz por me manter a girar nesse círculo. No momento da contagem decrescente, pensar quais eram as intenções que queria concretizar na minha vida era algo que tinha como importante. Algo que eu considerava que poderia realmente estabelecer-se como uma mudança, num futuro que, à medida que os números diminuíam, ficava cada vez mais próximo.

Só que, sem me aperceber, o que realmente acontecia era o seguinte: o estabelecimento das minhas intenções, o conectar-me com elas, durava somente a fração de tempo que decorria entre o brindar, o subir ou não a uma cadeira, segurando uma nota na mão, enquanto comia as 12 passas como se, algures no percurso do processo elaborado pelo sistema digestivo, o associar de cada desejo a uma passa, lhe conferisse maior poder de concretização.

Não sei quanto a vocês mas, após esta descrição, só me ocorre dizer: dahhh! 😀

Exposto assim, fica quase inevitável a sensação de descrença perante a credibilidade que atribuíamos a tais rituais. Mas, como estávamos inseridos num meio em que nos transmitiam a ideia da máxima importância do estabelecimento de objetivos – que, por sinal, já estavam pré-estabelecidos por outros -, sem que nos indicassem estratégias para os podermos levar a cabo, creio que, para muitos de nós, mesmo que nas duas primeiras semanas do ano os tentássemos cumprir, o momento daquela ritualização, elaborado com especial afinco, enquanto soavam as 12 badaladas, constituía-se como o ponto mais alto do nosso contributo para a realização de cada um deles.

Como há já algum tempo que é notório um movimento crescente na mudança deste paradigma, e acredito que ele se irá propagar, fiz questão de escrever o parágrafo anterior no passado.

É claro que a definição de objetivos é importante. E essa importância está na iminência de ser ampliada porque, bem vistas as coisas, as resoluções que costumamos formar são tão vagas, que dificilmente se constituem como objetivos.

Ou seja, embora tenhamos passado a maior parte da nossa vida a tratá-los como princípios idênticos, resoluções e objetivos são elementos distintos.

E apesar do aparente tempo perdido, no emaranhamento causado pela ilusória semelhança entre os dois, a nosso favor joga o facto de estarmos cada vez mais rodeados de técnicas, que nos permitem agilizar as ferramentas que dispomos, para podermos definir e atingir aquilo que realmente nos pode auxiliar no impulso que pretendemos estimular nas nossas vidas: objetivos.

Afinal, responder à pergunta: “O que posso fazer hoje/esta semana/ este mês/ano, para me sentir mais feliz?” e registar, com papel e caneta, o que sinto que faz o meu coração vibrar, difere largamente de pensar “Quero ser feliz”, enquanto procedo à ingestão de mais uma passa. Se gostarmos muito de passas, a sensação de felicidade até poderá ser aumentada enquanto ela se passeia pelas nossas papilas gustativas, mas trata-se de um impacto de pavio muito curto. É tão breve quanto a estadia do pensamento “Quero ser feliz” na nossa mente.

E é esta a principal diferença entre resoluções e objetivos. As primeiras resumem-se a ideias vagas, que cruzam a nossa mente por breves instantes, sendo rapidamente abalroadas pela agitação de tantos pensamentos que fervilham a cada instante. Os objetivos, por sua vez, implicam que formemos perguntas.

E porque é que perguntar é tão importante?

Porque, na busca da resposta, o que vamos realmente procurar são as nossas chaves, as nossas ferramentas, aquilo que temos em nós e que nos possibilita proximidade com o que queremos obter: os nossos super-poderes!

E porque é que registar essas respostas é importante?

Porque, para além de todos os benefícios inerentes à atividade da escrita manual (aumentar a plasticidade do cérebro, melhorar a atenção, a memória, estimular a criatividade…), ao exercê-la no âmbito de um processo de autoconhecimento, favorecemos que se estabeleça conexão, visto que formamos ondas eletromagnéticas (eletro – cérebro/pensamento; magnéticas – coração/sentimento), o que potencia que, de algum modo, comecemos a materializar e a dar forma àquilo pretendemos obter.

Outro elemento que considero crescente na sociedade é o facto de, atualmente, nos ser possibilitada maior liberdade de escolha. Ou melhor, a liberdade de escolha de cada um, em relação aos objetivos que quer concretizar na sua vida, é – e muito bem -, cada vez mais respeitada. Só que a esta circunstância subjaz a responsabilidade individual. A responsabilidade de cada um, apesar de inserido num todo. Teres a liberdade para escolher o que queres, implica que tenhas responsabilidade por aquilo que colocas a circular no mundo.

E como acabei de perceber que o texto acabará por ser mais extenso do que aquilo tinha pensado, lá vou optar por reparti-lo, aproveitando este momento para fazer o remate desta parte. Sendo assim, e como por aqui se pretende fomentar a Coragem que nos coloca no Caminho do Amor, ainda no embalo da oportunidade da energia da renovação, deixo-te com esta pergunta:

Achas que estás preparado para assumir a responsabilidade da liberdade das tuas escolhas?

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

É preciso coragem para escolher o Amor sobre o medo… – 1.ª parte

Neste meu recente percurso de começar a escrever, sem saber muito bem sobre o quê, estou a tentar estar atenta a eventuais sinais que me possam chegar, nas situações mais corriqueiras do quotidiano.

O post da semana passada, por exemplo, teve inspiração numa frase que li num livro e que me fez sentir logo aquele clique do: “é a partir daqui que vou dar continuidade ao que iniciei”.

Esta semana (estou a fazer por me comprometer a escrever um texto por semana), a inspiração veio-me da alteração da foto de capa do facebook e da mensagem que nela está contida: “It takes courage to choose LOVE over fear… Be courageous.”

Confesso que tenho andado a dar espaço à voz da resistência, pois, para além de ainda me sentir uma novata nesta coisa da escrita acessível a um público, lembrei-me logo de um texto que eu já tinha iniciado há uns anos. E aqui a resistência levantou-se porquê? Porque tudo o que escrevi lá atrás retrata a pessoa, ou pelo menos uma parte dela, que fui. Não é mais quem eu sou, por muito que algumas semelhanças permaneçam no momento atual. Portanto, ir lá atrás e ter de olhar para partes de mim que poderão já não existir – mas que existiram – é quase equivalente a ter de fazer um mergulho interior… a olhar para dentro, o que, como todos sabemos, de forma mais ou menos consciente, é algo que custa sempre muito fazer.

Porém, por muito esforço que possamos investir em não realizar esse mergulho, ou tantos quantos forem necessários – o processo vai ficando mais fácil depois que se efetua o primeiro -, num determinado momento da nossa vida, lá teremos mesmo de avançar para ele. É a própria Vida que nos convida, constantemente, a que o façamos. A nós apenas compete estarmos atentos a esses convites. Numa fase inicial, eles costumam ser subtis, prudentes, delicados… meigos até. Tanto, que a nossa tendência é ignorá-los. Caso o continuemos a fazer, como a Vida é sábia, um dia, ela devolve-nos tudo o que lhe ignorámos e, está-se mesmo a ver, se a ignorámos com força, ela aprumar-se-á em se fazer notar com igual e notável dimensão.

Posto isto, como me lembrava que, na altura, tinha escrito um trecho nesse texto, que data de 2013, sobre o medo, do qual eu estava muito orgulhosa (do género: fui mesmo eu que escrevi isto?! Wow!!!), lá fiz por ter coragem de superar a parte do “muito do que escrevi pode já não me fazer sentido” e fui à procura dele.

Ao realizar uma leitura, algo na diagonal, pude constatar tudo o que tinha pensado antes: há partes com as quais já não me identifico e, aquele tal trecho, continua a deixar-me muito orgulhosa. =)

Acabo também de perceber que, ao contrário do que poderia ter sequer imaginado, este post vai ficar bem mais extenso. Por isso, creio que o vou repartir e esta será a 1.ª parte sobre a temática dessa escolha tão presente na nossa Vida: estar no caminho do medo ou no caminho do Amor.

Hoje, ao escolher ir lá atrás, olhar para o que já fui e acolher essas partes de mim, sem ter dado premissa à resistência para escondê-las, permiti-me escolher o caminho do Amor. E tu, que escolha fizeste hoje que sabes que te colocou nesse caminho?

 

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza

Susana Martinho