Pelo outro ou por mim? – 6.ª parte

Na dimensão da escala do que realmente somos – um Universo numa só pessoa -, como é que os relacionamentos, sejam eles de que género for, podem dar certo se passamos o tempo todo a querer identificarmo-nos e a projetar para os outros o que temos dentro? Como é que os relacionamentos podem dar certo se temos em nós toda uma ideia concebida, construída ao longo de anos, de como os relacionamentos devem funcionar para, supostamente, poderem dar certo?

Aliás, será que é possível estabelecer, consolidar e apregoar uma base que defina o que é um relacionamento “certo”? Será que podemos realmente determinar modos de comportamento e de ação, que possam ser generalizados a cada tipologia de relacionamento, quando a diversidade que existe no interior de cada indivíduo é de uma magnanimidade tão vasta, que apenas a podemos conjeturar?

No entanto, é precisamente na nossa intenção de querer, por vezes a todo o custo, que um relacionamento dê certo, que nos vamos entrelaçando, até ficarmos completamente atados em apertados nós, nas circunstâncias que emergem no decorrer do assumir uma postura de fazer o que fazemos pelo outro.

E para aqueles de vocês que ainda possam estar tentados a pensar que há um relacionamento que serve de exceção, e que normalmente é o de pais para filhos – algo que foi abordado na 1.ª parte deste tema -, importa ressalvar que, assim como os filhos não sabem o que é o melhor para os seus pais, muitas vezes, os pais também não agem de acordo com o que é realmente o melhor para os seus filhos. Afinal, assim como os filhos não acompanharam a história toda da vida dos pais, e não têm como conhecer toda a individualidade que constitui cada um daqueles seres, os pais também não têm como acompanhar a história toda da vida dos seus filhos.

Por tudo isto, de cada vez que nos deparamos com um cenário que nos impele ao recurso do fazer algo por alguém, convém que tenhamos presente que nós podemos até colaborar para ajudar mas, precisamos tomar muito cuidado com a possibilidade de nos responsabilizamos por aquilo que é dos outros. E isto é algo que é transversal a todo e qualquer relacionamento.

Assim sendo, e lembrando que, na essência, somos seres energéticos integrados num sistema onde tudo é essencialmente energia, em Ti, está todo o Universo. Cada um que percecionas como sendo o Outro, é uma parte tua. Cada um que eu perceciono como sendo o Outro, é uma parte minha. E à medida que vamos conseguindo incluir toda esta abrangência, fica-nos mais fácil compreender que o único local onde podemos realmente fazer alguma coisa é em nós.

A única pessoa por quem podes efetivamente fazer algo é a tua.

Portanto, de cada vez que nos deparamos com aquilo que pode ser designado como um problema, em vez de nos focarmos em resolver o que está na nossa frente – fora de nós -, foquemo-nos em elevar a nossa frequência energética.

Começa no ponto onde estás, aceitando e acolhendo tudo o que possas estar a sentir. Acima de tudo, sê gentil contigo.

Sem pressas.

Fica aí, a deixar que essa sensação de aceitação e de gentileza se consolide no teu peito.

E assim que te sentires conectado com o teu centro, podes começar a escalar os degraus da escada que te leva para o topo de Ti. Não precisas de os subir todos agora. Basta que os vás subindo, um a um, na medida em que vais descobrindo qual o próximo pensamento que te faz sentir bem, pois, subir essa escada, é o mesmo que seguir a tua Alegria.

Ao movimentarmo-nos deste modo, elevando a nossa frequência, a forma como nos sentimos perante a situação altera-se. E é aqui que abrimos espaço para que, aos poucos, a magia comece a acontecer… Gradativamente, começa a ocorrer uma mudança ao nível da nossa programação interna, que, por sua vez, desencadeia uma progressiva dissolução de tudo aquilo que estava emaranhado. E por muito incrível e fantasioso que te possa parecer – o que certo é que acontece -, é como se a situação se resolvesse por si mesma.

Vou propor ainda outro cenário… Imagina que tu e as pessoas com quem te relacionas, e que têm “problemas” que tu gostarias de ajudar a resolver, estão numa mesma divisão, completamente às escuras. E cada uma dessas pessoas, incluindo tu próprio, têm a sua própria luz e o respetivo interruptor para a acender. Contudo, cada interruptor tem um estado de conservação muito peculiar e, como estão às escuras, ninguém tem como ver onde está, nem como está, o interruptor de cada um. Nestas circunstâncias, qual é o interruptor a que consegues aceder primeiro: o teu ou o do outro? Qual é mais seguro e viável acender primeiro: o teu ou o do outro?

Ao quereres ajudar, assumindo uma postura de “estou a fazer isto por ti”, sem acenderes primeiro a tua própria luz, para que consigas ver o que realmente te rodeia, corres o risco de danificar ainda mais o estado de conservação do interruptor do outro. Um estrago que, irremediavelmente, terá consequências para ti também, pois, o certo é que continuarão às escuras mas, agora, soma-se o peso crescente da dúvida sobre a dimensão daquilo que se terá danificado…

Por outro lado, e como é tua genuína vontade ajudar essas pessoas, tu realmente queres que cada uma delas acenda a sua luz. Contudo, não te soa a egoísmo exercido no caminho do medo, este querer que qualquer uma dessas pessoas acenda a sua Luz, quando tu não estás disposto a permitir que a tua própria Luz se acenda? Como é podes querer ver, ajudar e fazer algo por qualquer uma dessas pessoas, se não estás disposto a ver-TE? A ajudar-TE? A fazer por TI?

É por isto que, quando envolto na escuridão, com a certeza de que contigo estão Todos, acende primeiro a tua Luz. Aliás, acesa ela já está. Sempre esteve. Talvez esteja coberta pelo pó acumulado dos anos ou escondida debaixo de um valente bloco de betão. Enfim, só tu sabes como tens vindo a impedir essa Luz de brilhar no Mundo. E, no fundo, também sabes que sacudir esse pó ou quebrar esse bloco vai levantar poeira.

Se o fizeres, durante algum tempo vai-te custar respirar, não nego. Mas a poeira acabará por assentar. O ar voltará a ficar respirável e, quando isso acontecer, há mais espaço para essa tua Luz poder circular e viajar do teu centro para o centro de tudo.

Portanto, toma Coragem. Sacode o pó. Fragmenta esse enorme bloqueio que trazes no peito e deixa-te surpreender pelo vislumbre, daqueles que são apenas alguns flashes, de toda a Luz que trazes dentro. De toda a Luz que ÉS. Permite que ela irradie, mais e mais, a partir do teu coração e que, aos poucos, comece a iluminar tudo e todos à tua volta.

Quem nós somos influencia diretamente a vida das pessoas que convivem connosco. A nossa convivência influencia. A nossa convivência transforma, por isso, é sempre por nós que fazemos o que fazemos. E, ao ser por nós, acaba por ser PARA os outros.

“Podemos mudar o mundo. Não pelo que dizemos ou fazemos, mas como consequência daquilo em que nos tornamos.”

Dr. David R. Hawkins, Deixa Ir

Neste Mundo do Tudo Eu deixa que a tua Luz brilhe primeiro, para que, ao ver o brilho da tua Luz, outros possam ver a Luz que também são.

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Anúncios

Pelo outro ou por mim? – 5.ª parte

A cada texto que escrevo sobre esta temática sinto que a ideia de aceitar o egoísmo como um estado natural do nosso Ser, é algo que, com a devida leveza, se vai permeando e instalando em mim.

E contigo? Tem sucedido o mesmo? Espero que sim!

Como temos vindo a constatar, independentemente do caminho por onde nos estamos a mover no momento atual, acabamos sempre por ser egoístas.

No caso do texto anterior, que foi muito focado em cenários possíveis para o exercer do egoísmo dentro do caminho do medo, acabei por perceber que, atendendo a todas as ramificações que se iam formando, tornou-se inevitável seguir aquelas que faziam mais sentido para mim, por serem as que mais se aproximam à realidade das minhas vivências. (Olha eu a ser egoísta… 🙂 ). Para além disso também constatei que, até o uso da palavra “fiz”, dentro da expressão “Fiz isto por ti!”, remete logo para o Eu. Portanto, como talvez já te esteja deveras evidente e, espero, em vias de ficar completamente dissociado de qualquer sentimento de culpa ou da possibilidade de julgamento de poderes ser considerado uma “má” pessoa, o certo é que, mesmo que o nosso egoísmo seja realizado dentro caminho do medo, continuamos a agir por interesse próprio. Somos egoístas, sempre.

No início desse texto também aludi duas situações, algo caricatas, que me tinham acontecido naquela semana, tendo referido que deixaria uma delas para relatar numa próxima.

Pois bem, o que aconteceu nessa mesma semana foi que, no decorrer de uma conversa repleta de diversos tópicos, e sem qualquer referência ao facto de eu elaborar algum trabalho de escrita, houve alguém que me disse que, quando uma pessoa alimenta demasiado o amor-próprio, isso torna-se nocivo porque, é como se a pessoa só se visse a ela mesma. Diante destas palavras, o que retorqui foi apenas: “Isso não é Amor-Próprio.” Ao que a pessoa respondeu, olhando para mim com os seus olhos claros, grandes e expressivos: “Pois não! É ego.”

Ao seu jeito, aquela pessoa estava a apresentar-me uma definição do que significa para ela ser egoísta dentro do caminho do medo. Contudo, a sensação com que fiquei foi que faltava ali uma certa dose de clareza, visto que, os termos “amor-próprio” e “nocivo” realmente não conjugam.

De algum modo, até de acordo com a definição que podemos encontrar no dicionário – Amor exclusivo à pessoa e aos interesses próprios -, a palavra egoísmo expressa, precisamente, Amor-Próprio. Assim à primeira vista, acredito que talvez não seja logo percetível, devido à presença da palavra exclusivo que, inserida naquele contexto, pode transmitir a sensação de um espaço tão limitado e restrito, onde, muito dificilmente, caberá algo mais para além do Eu. Circunstância que, aliás, já tinha sido referida neste texto e que nos ajuda a criar e a sustentar a ideia – que inconscientemente fica instalada na nossa programação interna – de que somos “maus” por exercermos o Amor-Próprio.

E é justamente por tudo isto que sinto que se torna imprescindível continuar falar do egoísmo como uma forma natural de Ser, motivando-me para o fazer cada vez mais dentro do Caminho do Amor, ao mesmo tempo que te tento inspirar a fazer o mesmo. Afinal, e como tenho dado por mim a dizer com alguma frequência por estes dias, vivemos num Mundo de Tudo Eu. E acredito que a consequência do passo dado, na direção da aceitação deste facto, se constitui como algo fundamental para que o mundo se torne num lugar mais harmonioso, precisamente por ser assim.

Vamos descortinar?

Pois bem, se nós nascemos na vibração do Amor – e cada vez mais acredito que sim -, se o Amor Incondicional é o que está na essência do nosso Ser, é completamente impossível que, ao alimentar o Amor-Próprio, estejamos a conceber algo prejudicial para nós e/ou para os outros.

Tudo o que está na Vida de cada um de nós, sem qualquer exceção, é um veículo para o nosso crescimento pessoal/individual. E isto não se aplica só a mim, nem só a ti. Isto aplica-se a toda a gente…

Desta forma, faz todo o sentido que, independentemente do tipo de relação ou do elo de ligação que tenhamos com alguém, seja nossa prioridade colocar o nosso foco a incidir em quem Somos. Sempre!

A história – a Vida de cada um – é isso mesmo: a Vida de cada um. E a Vida de cada um somente àquele um pertence.

Num Universo onde tudo é essencialmente energia, tu tens uma assinatura energética única. E o mesmo se aplica a cada um de nós. Cada um de nós é um Ser único, com uma história de vida (talvez de vidas) única.

Há tanta informação guardada em ti, que acabas por ser um Universo numa só pessoa. Cada um que é o Outro, também é um Universo numa só pessoa. Portanto, de cada vez que nos relacionamos e interagimos com outra pessoa, não se trata apenas de duas pessoas a relacionarem-se. É todo um Universo a interagir e a relacionar-se com outro Universo.

Nesta imensidão daquilo que tu e o outro trazem dentro – e SÃO -, o que achas que pode acontecer de cada vez que colocas o foco fora de ti e tentas assumir a postura de fazer o que fazes pelo outro?

Para além dos cenários apresentados nos textos anteriores, costumamos adotar essa postura de fazer pelo outro, de cada vez que nos identificamos com ele e com as suas vivências. Porém, a partir do momento em que determinamos essa identificação, e tentamos assumir uma postura de querer ajudar o outro, aquilo que estamos realmente a estabelecer é a ocorrência de um emaranhamento. Ou seja, em vez da situação que está a ser interpretada como um problema se começar a resolver, ela tende a piorar. Afinal, é todo um Universo a tentar interferir no modo de funcionamento de outro Universo. Como é que isto pode dar certo, não é? Ademais, já não é só uma pessoa a considerar a existência de um problema, mas sim, duas. Por conseguinte, começa a haver somatização do que quer que seja com que nos identificámos. Para além disso, ao emaranharmo-nos nas situações do outro, começamos a querer ir no seu lugar. E, por muito que ainda nos custe reconhecer, isso é algo completamente impossível de se fazer.

Portanto, ao contrário daquilo que costumamos supor, isto não se constitui como ajuda. Antes pelo contrário…

A partir do momento em que se dá o emaranhamento deixa de haver espaço para que a energia de cada um se exerça. Surgem momentos de tensão, conflito, confusão… que, bem vistas as coisas, são avisos da própria Vida, a alertar-nos para o facto de estarmos a sair do nosso próprio alinhamento.

O resultado da tendência de te focares exclusivamente nos outros é o esqueceres-te de ti mesmo. Neste afastamento que estabeleces com a tua própria pessoa – desalinhamento -, ocorre uma exclusão, visto que há todo um Universo que fica abandonado. O teu! E se tu te excluis de ti mesmo, como é que podes ajudar o outro efetivamente?

Não podes… Não podemos.

Posto isto, não devemos, sob qualquer circunstância, identificarmo-nos com os outros ou com as suas vivências, independentemente dos laços de amizade, familiares, profissionais ou amorosos.

O nosso verdadeiro trabalho é SER. É Sonhar! Como tal, torna-se imprescindível que te alinhes com quem realmente És. Ao colocares o foco somente no teu centro, presente no teu próprio Universo, ficas automaticamente conectado com a Fonte. E é através da conexão com a vibração que brota do Caminho do Amor que tu abres, de par em par, a porta para a inclusão.

É possibilitando a inclusão do Universo que és em TI mesmo, que te permites o espaço para incluir o Universo que é o Outro.

Por isso, lembra-te: no Universo que é o outro e a sua Vida, só ele pode ir no seu lugar. Deixa-o ser egoísta.

No Universo que És tu e a tua Vida, só TU podes ir no teu lugar. Sê egoísta. E sê-o com todo o teu coração pois, acredita, nesse aparente pequeno cantinho do teu Ser, cabem muitos Universos.

Em TI, cabe o Universo inteiro!

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Pelo outro ou por mim? – 4.ª parte

Na semana passada aconteceu uma situação muito gira – aliás, duas, mas deixo uma delas para a próxima – que me parece servir como nota introdutória para dar continuidade a esta reflexão.

Quando alcancei aquele momento em que dei o texto por terminado, deparei-me com uma citação que tinha guardado num documento, só que já não me lembrava que o tinha feito. Guardei-a com a intenção de que ela me pudesse servir de lembrete, do género: “este é um tema sobre o qual ainda vou escrever”. E o giro é que primeiro escrevi sobre o tema e só depois encontrei o dito “lembrete” que, por sinal, resume tudo o que tenho vindo a escrever numa só frase:

 “O Egoísmo não está em viver como se deseja viver, o egoísmo está em pedir aos outros que vivam como você deseja viver.”

Oscar Wilde

 Este singelo conjunto de palavras é o suficiente para expor a diferença entre aquilo que é exercer o egoísmo no Caminho do Amor ou no caminho do medo. A forma como o fazemos neste último, vai continuar a ser a base de desenvolvimento também para este texto.

Creio que é algo que vale a pena a fazer porque, para conseguirmos abrir espaço para o novo – exercer com mais coragem e leveza o egoísmo dentro do Caminho do Amor – precisamos deixar ir velhos paradigmas. E quando conseguimos obter uma compreensão mais ampla sobre o modo como eles nos limitam, torna-se mais fácil para nós conseguirmo-nos soltar deles.

Posto isto, importa que fiquemos recetivos a eventuais evidências que nos permitam sinalizar se estamos a ser egoístas dentro do caminho do medo. Uma delas, como já constatámos no texto anterior, é o recurso à expressão “Estás a ser muito egoísta neste momento!”. A verbalização destas palavras coloca o foco a incidir no outro. Contudo, há uma outra expressão – que tem muitas descendentes -, e que para além da sua recorrente utilização evidenciar que nos estamos a mover pelo caminho do medo, também coloca o foco a incidir na nossa própria pessoa. Será que estamos a pensar na mesma? 🙂 Refiro-me à expressão: “Fiz isto por ti!”

O “fazer por ti”, algo que ainda nos está muito associado ao verdadeiro gesto de altruísmo e à necessidade de sermos validados como “boas” pessoas, implica a aquisição de todo um conjunto de consequências, que podem ser mais ou menos subliminares (também em virtude de nos terem pedido para fazer alguma coisa ou não), e cujo valor de compra, apesar de bem autêntico, encontra-se dissimulado por entrelinhas de letras miudinhas. E essas, ou nos passam despercebidas, ou, mesmo que olhemos para elas, nem sempre nos disponibilizamos para as ler com o merecido e devido estado de presença.

E assim como quem redige as letras miudinhas o faz numa tentativa de renunciar a qualquer efeito que possa provir da possível falta de uma leitura atenta, quem afirma perante o outro “fiz isto por ti”, também está a prescindir da sua responsabilidade como elemento participante em todo o processo.

No inconsciente desta tentativa de nos livrarmos da nossa responsabilidade reside – até onde consigo abranger atualmente –, não só uma necessidade de considerar que o fazer pelo outro nos previne do julgamento de podermos ser considerados uma “má” pessoa, mas também uma intenção de ficarmos completamente ilesos de eventuais sentimentos de culpa.

É como se o recorrer a uma expressão do género “fiz isto por ti”, firmasse um contrato entre mim e o outro.

Na sua primeira cláusula fica logo estabelecida a minha evidente capacidade de altruísmo e, por consequência, o facto de eu ser uma “boa” pessoa.

No entanto, por muito que o contrato estabelecido entre duas entidades esteja bem elaborado, o terreno onde ele assenta – que é a área dos relacionamentos – não é completamente estático. Todos nós sabemos que se trata de um terreno sujeito a oscilações e a movimentos não previstos. Ou seja, no fundo, todos nós sabemos que, num contrato elaborado nestes termos, as condições para que o sentimento de culpa possa emergir tornam-se deveras favoráveis. E cada um de nós, de algum modo, sabe que ele pode despoletar a qualquer momento. É por isso que, logo a seguir, a segunda cláusula deste contrato estabelece que a pessoa em quem se pode depositar a culpa é: o outro. Afinal, se foi pelo outro que agi como agi e, se ao agir assim, estou a ser uma boa pessoa, então, a existir um culpado por algo que não suceda como o esperado, só pode ser… o outro.

Estas são algumas das cláusulas possíveis quando o contrato é do tipo “A Responsabilidade é Tua”. Porém, existe um outro tipo de contrato, que é “A Responsabilidade é Minha”. Neste, a primeira cláusula mantém-se firme e hirta (como uma barra de ferro. Não resisti à brincadeira! 😀 Para quem não entendeu – ou quiser relembrar – deixo o link aqui). A segunda, contudo, altera-se para estabelecer que o depositário da culpa sou eu.

Quando firmo este outro tipo de contrato, assumo a postura de ser a única responsável por toda a dinâmica e por todos os resultados que dela possam advir. Se a minha intenção for a de ajudar, pretendo tanto fazer algo pelo bem-estar do outro que, se tudo correr conforme o esperado, é garantido que obtenho, efetivamente, a comprovação de que sou realmente uma “boa” pessoa. Por outro lado, se os eventos descarrilarem, não vou conseguir lidar com o facto do outro se poder sentir mal/responsável/culpado e vou querer tomar todo o mal-estar, responsabilidade e culpa para mim (tento sofrer na vez do outro, para que ele não sofra). E até nesta ampla disponibilidade para tomar todo este fardo somente para mim, habita a minha necessidade de ser considerada uma “boa” pessoa – “se consigo suportar tudo isto pelo outro, só posso ser uma boa pessoa…”

E haveria aqui tanto mais para explorar… Este está a ser-me um texto particularmente difícil de escrever precisamente por causa disso. Tenho sentido tantas ramificações a quererem surgir, que fico confusa ao tentar perceber qual delas poderá ser a melhor via a seguir. Mas pronto, no conjunto de todas as nuances, vou escolhendo aquelas que sinto a ressoar mais em mim e, neste momento, parece-me que já está elaborada uma base para poder sustentar aquilo que vem a seguir.

Contudo, antes de avançar, gostaria de saber: está a fazer-te sentido?

Quanto a mim, nunca fez tanto sentido como agora. Reconheço que, por diversas vezes, tenho sido egoísta dentro do caminho do medo e, de cada vez que firmei um destes contratos com alguém, a minha visão não abrangia as entrelinhas das tais palavras formadas por letras miudinhas.

Sim, porque embora à primeira vista não pareça, estes contratos estão repletos delas. E elas são de tal modo significativas que, só ao apreciá-las com a merecida atenção, é que nos capacitamos a reconhecer o real valor de compra do que estamos a acordar. Ora, vejamos…

No exemplo do contrato “A Responsabilidade é Tua”, o prescindir da nossa responsabilidade na questão, transporta consigo muito mais do que aquilo que gostaríamos de deixar ir. Afinal, e como por aqui já foi referido, a Responsabilidade anda sempre de mãos dadas com a Liberdade. Para onde uma vai a outra segue logo no seu encalço… Portanto, de cada vez que dispensamos a nossa responsabilidade, abdicamos também da nossa liberdade.

Neste caso, quando afirmo perante alguém “estou a fazer isto somente por ti”, aquilo que estou a abandonar, logo nesse instante, é a minha responsabilidade/liberdade de escolha. Se considero que é irrelevante ter Coragem de assumir, perante mim mesma acima de tudo, que se trata de algo que escolhi fazer, e que, precisamente por isso, é por mim que o faço em primeiro lugar, já estabeleci uma considerável distância entre mim e a minha Responsabilidade. E no preciso momento em que esse espaço de separação se quantifica, inevitavelmente, a igual distância de mim, fica a minha Liberdade.

As letras miudinhas neste tipo de contrato clarificam ainda que, este afastamento entre mim e a minha responsabilidade/liberdade, para além de ter sido uma escolha minha, provoca uma imediata distância entre mim e a minha Essência. E no exato instante em que ocorre este desalinhamento com quem Sou, surge algo que tendemos a evitar a todo o custo: a dor.

Um sentimento de dor manifesta-se, precisamente, para que consigamos perceber que nos estamos a afastar do essencial: de nós mesmos. Porém, como tendemos a evitar tudo o que nos remeta para a dor, vamos ter dificuldade em reconhecer que fomos nós que a causámos, através das escolhas que fomos fazendo. Quando nos encontramos neste ponto, começamos a vislumbrar a iminência de nos sentirmos culpados por aquilo que nós próprios causámos. E como há um lado nosso que vai querer continuar a mover-se pelo caminho do medo, é aqui que desperta em nós uma vontade de nos afastarmos do outro, projetando para ele tudo o que acabámos de criar. E mais uma vez, por pura desatenção, não percebemos que, se me afasto do outro, para prevenir um eventual surgimento do sentimento de culpa em mim, a pessoa de quem fico mais distante é a minha.

É desta forma que, no âmbito do contrato “A Responsabilidade é Tua”, se reúnem as condições perfeitas para podermos depositar a culpa do nosso mal-estar… no outro. Ao seguir todos estes trâmites cumprimos com a segunda cláusula, sem olhar para as tais das letras miudinhas que referem ainda que, este depositar da culpa no outro, acabará por levar a que ele se afaste de nós também. Ninguém gosta de transportar fardos que não são seus…

No caso do contrato “A Responsabilidade é Minha”, as letras mais pequeninas esclarecem que, se tento tomar para mim toda a responsabilidade, é porque estou a tentar levar comigo muito mais do que aquilo que me pertence.

Ainda te lembras do que é que anda sempre de mãos dadas com a Responsabilidade?

Pois é! De cada vez que tentamos tomar a responsabilidade do outro na questão, “fazendo tudo por ele”, estamos também a tentar levar a sua liberdade. Não estou a dizer que seja de propósito, nem sequer que seja um comportamento consciente mas, que o fazemos, lá isso fazemos.

Ao exercer este tipo de comportamento, em que assumimos uma postura de que só eu consigo fazer algo de bom ou útil pela situação, acabamos por criar uma dinâmica que anula a existência do outro no processo. De modo consciente ou inconsciente, estamos a considerar que o outro é incapaz de lidar com um determinado evento, sendo que até poderá ter sido ele próprio a criá-lo (lembra-te que somos cocriadores da nossa realidade).

O outro, por sua vez, acabará por sentir o que lhe estamos a fazer e, como talvez já te esteja óbvio, terá tendência a afastar-se. E aqui, as entrelinhas que escapam à nossa visão, mas que seguem em paralelo com o exemplo do contrato anterior, esclarecem que tudo isto reflete apenas a enorme distância a que estamos de nós mesmos. Eu estou tão distante de quem Sou – o que me leva a sentir dor – que estou disposta a fazer tudo pelo outro, a ver se dissipo a dor que sinto.

Se a partir daqui os acontecimentos ocorrerem de modo que eu considere favorável, provavelmente ainda vou conseguir desfrutar de uma momentânea sensação de bem-estar. Por outro lado, se o inesperado surgir e eu o considerar desfavorável, como firmei um contrato em que a responsabilidade é toda minha, para além de tentar levar toda a responsabilidade (a minha e a do outro) – e a liberdade do outro -, sem dúvida que ainda vou levar toda a culpa. E é assim que, em menos de nada, colapso todo um abismo, que me faz permanecer a uma enorme distância. Tanto de mim. Como do outro.

E estes são apenas meros exemplos daquilo que é exercer o egoísmo dentro do caminho do medo. Sendo que, na generalidade, o nome que costumamos atribuir a tudo o que aqui foi enumerado, como decretando algo de bom a ser feito, é: altruísmo.

Dá que pensar, não dá?

Espero que sim! Espero que todo este reconhecimento, feito com a devida leveza, toque uma parte tua. Aquela parte que está em alinhamento com quem És. Aquela parte que te incentiva a escolher, Agora e sempre, o Caminho do Amor.

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Pelo outro ou por mim? – 1.ª parte

Estou sem escrever há tanto tempo que, agora, que finalmente me predispus a fazê-lo, encontro-me a ser invadida por uma sensação de nervoso miudinho, como se estivesse a duvidar da minha capacidade de retomar o trabalho que por aqui iniciei antes.

Sempre tão matreira esta voz da Resistência… Sempre tão atenta e perspicaz. Sempre prestes a infiltrar-se por uma qualquer ínfima fissura que lhe coloquemos à disposição.

Se bem que, parte deste nervoso miudinho também se deve a uma certa complexidade do tema. Afinal, o que existe de mais complexo do que os relacionamentos?

Sejam eles quais forem, sejam eles com quem forem, toda a nossa vivência é estabelecida e realizada com base em relacionamentos.

Eles são o que temos de mais comum na nossa condição humana. No entanto, por muita experiência, conhecimento e tempo de vida que tenhamos, deparamo-nos, persistentemente, com questões que estimulam, instigam e desafiam a nossa capacidade de nos relacionarmos, quer seja com os outros, quer seja connosco, quer seja com quem somos em relação aos outros…

Enfim, o tema é tão vasto que nos requer uma vida inteira (no mínimo 🙂 ) para aprimorá-lo.

E a questão levantada pelo título toca no cerne de algo que costuma ser presente e transversal a todos os relacionamentos: a nossa tendência de dizer – e realmente acreditar – que fazemos o que fazemos pelo outro.

Trata-se, inclusive, de uma questão que surge com alguma frequência em conversas com uma amiga pois, quando lhe digo que o que fazemos é sempre por nós próprios, ela remata sempre com o “Não tens filhos, não sabes.”

Obviamente, trata-se de um argumento que ela me pode devolver sempre, porque não tenho realmente filhos. Contudo, e talvez por todo o trabalho de reflexão feito anteriormente, e que tem vindo a permanecer em expansão, aquele argumento não entoa em mim, por muitas vezes que eu o ouça.

De facto, não tenho qualquer conhecimento de causa sobre o desafio que é relacionar-me com um filho mas, consigo conceber que toda a Vida é feita de desafios e que, a maneira como lidamos e agimos perante eles, depende do Ser de cada um.

Por outro lado, a vida permitiu-me vivenciar algumas experiências da outra via desse relacionamento: relacionar-me com os pais.

E tenho de confessar que, apesar de tudo o que acabei de escrever, fui tomada por uma dose de choque e de apreensão quando li pela primeira vez este trecho:

“Como seres humanos normais e “bons”, agimos eternamente por interesse próprio. Somos essencialmente egoístas.”

John C. Parkin, fuck it – Que Se Lixe!

Isto foi lá em 2009 e, mesmo sem ter filhos, eu alcançava esse paradigma de fazer algo pelos outros pois, essa era uma postura que eu fazia por assumir perante as pessoas que tinha como próximas e relevantes para mim.

Repararam nestas últimas palavras? Ao escrevê-las, surgiu-me logo a sensação de que, só por aqui, já se denota a diluição daquele paradigma. Afinal, quem é que considerava determinadas pessoas como próximas? Quem é que lhes atribuía relevância? Era eu, não era? Claro que sim. Portanto, a ideia de que faço o que faço por mim, sempre, adquire logo espaço de existência.

Porém, naquela altura, eu ainda não tinha efetuado qualquer observação e reflexão sobre esta temática e estava efetivamente convencida de que muitas das minhas ações eram feitas pelos outros.

Mais… apesar de ser de modo inconsciente, tinha presunção e arrogância suficientes para considerar que essas ações teriam significado efetivo e real na vida dos outros.

Nooossa…

Portanto, ao ler “agimos eternamente por interesse próprio”, muitas das minhas atitudes e ações que, até àquele momento, estavam categorizadas nos meus juízos de valor como sendo algo “de bom”, foram imediatamente colocadas em cheque.

A dúvida, aproveitando-se do momentâneo estado de surpresa, ainda fez por insistir em permanecer. Afinal, eu tinha vivido com essa crença durante todo o meu tempo de vida até então. Para além disso, havia um tipo de relacionamento que, embora não fosse do meu próprio conhecimento vivencial, eu concebia como sendo aquele em que realmente se faz algo pelo outro: o dos pais em relação aos filhos.

Só que no corpo do texto daquele capítulo do livro, escrito por um pai, estavam as seguintes palavras:

“Se tem uma família à sua volta e quiser argumentar que não faz as coisas por si mas pela sua família, pergunto-lhe: Porque constituiu família em primeiro lugar? Não foi por si? Não retira prazer de sustentar e de estar com a sua família? Se é assim, então também está a fazê-lo por si.”

E a ficha caiu.

Não porque tenha sido um pai ou um autor a escrevê-lo. Nem sequer porque eu tenha optado, deliberadamente, por estabelecer uma mudança em mim. Mas, naquele momento, eu senti: “Pois é, tudo o que fiz foi sempre por mim.”

E senti-o com bastante ênfase na palavra “sempre”.

À primeira vista pode parecer uma palavra algo excessiva que, de certa forma, condiciona o nosso espaço de ação. No entanto, desde que me tenho por gente até àquele ponto do tempo, e desde aquela altura até este instante em que me encontro a escrever, ainda não existiu uma circunstância na minha vida que lhe tenha servido de exceção.

Mesmo que na minha intenção de ação esteja incluída outra pessoa, eu sou movida a agir por aquilo que considero importante. Viável. Plausível.

Tudo o que fiz foi sempre por mim porque, todas as minhas ações, foram sempre desencadeadas pelas crenças, valores e paradigmas que trago dentro.

É certo que se pode retorquir que muitas dessas crenças, valores e paradigmas me foram transmitidos pelos outros. Contudo, quem é que escolheu acreditar neles e tomá-los como seus?

Pois é! Sempre eu.

No teu caso, sempre tu.

Engraçado! Agora que estou para aqui a escrever e a pensar nisto tudo, inevitavelmente, os registos de algumas memórias de infância vieram ter comigo. E, pelo olhar que me é possível ter em 2018, fica evidente, com uma profundidade que ainda não tinha alcançado que, no âmago de toda esta questão, os meus pais, no que aos filhos diz respeito, efetivamente, fizeram o que fizerem sempre por eles próprios. Por aquilo que eles consideravam como sendo o melhor, tanto para mim, como para o meu irmão.

E face a alguma ponta de dúvida que ainda espreite com o vislumbre da vontade de crescer, basta constatar que, perante o mesmo filho, numa mesma situação, os progenitores têm posturas diferentes. E não se trata apenas da postura de um pai ser diferente da de uma mãe. Trata-se de pai e mãe serem, acima de tudo, duas pessoas, dois seres humanos, com particularidades que são de cada um.

Perante um mesmo cenário, um filho não age exatamente igual a outro. Por sua vez, um pai também não age exatamente igual a outro. Assim como uma mãe também não age exatamente igual a outra, precisamente porque, a categoria que denomina o lugar de cada um na relação, que merece ser respeitada pela ordem que ajuda a estabelecer, não determina o nosso modo de ação.

Toda a ação, de qualquer ser humano, é motivada por aquilo que ele traz dentro.

No fundo, somos mesmo egoístas. Só que, ao contrário daquilo que foi sendo apregoado pela sociedade em geral – e que é a razão subjacente do nosso estado de choque quando nos deparamos com tal afirmação – está tudo bem em sermos assim.

O egoísmo não faz de nós “más” pessoas. Aliás, etiquetar as pessoas como “boas” ou como “más” é algo que cada vez me faz menos sentido. Todavia, e tal como tudo na Vida, o egoísmo pode ser exercido num de dois caminhos: medo ou Amor.

Portanto, abraça o egoísta que há em ti.

Ao acolhê-lo como uma parte tua, colocas-te em movimento no Caminho do Amor. E à medida que fores avançando, com um passinho a seguir ao outro, saberás que é aí que podes viver a plenitude do teu egoísmo, assim como a totalidade do teu Ser. Afinal, esse é o caminho em que te podes exercer em total responsabilidade… e liberdade!

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Em 2009, quando terminei de ler o capítulo ”Diga Que Se Lixe e Seja Egoísta”, do fuck it – Que Se Lixe!, disse a mim mesma algo do género: “Um dia ainda vou escrever sobre o egoísmo, fazendo referência ao ser-se egoísta pelo medo ou pelo Amor.” Hoje chegou o dia. 🙂 Olha eu a cocriar! Oh, yeah! 😉

Susana Martinho