Começa a contar uma nova história

Embora o início do ano já tenha ocorrido há algum tempo, e a temática das resoluções seja um mote muito presente no assinalar da passagem de um ano para o outro, o certo é que, apesar de só o estar a concretizar agora, esta questão do “contar uma nova história” tem sido o tema que tem marcado presença na minha mente desde os finais de Dezembro.

No que respeita a resoluções, se já na passagem de ano anterior tinha sido pouco dada ao seu estabelecimento, desta vez, simplesmente nem o fiz. Este facto deveu-se essencialmente à forma como interpreto o significado da palavra quando associada a esta festividade. Regra geral, neste contexto, a palavra “resolução” remete para algo que é necessário resolver, superar, ultrapassar…

Por norma, isso costuma ser sinónimo de estarmos diante daquilo que tendemos a considerar como um problema. E como aquilo em que nos focamos é para onde se direciona a nossa energia, se estivermos voltados para um problema, ou para algo que, na nossa perceção, precisa de ser resolvido ou superado, não nos conseguimos focar nas soluções. Como consequência, e apesar de já estarem à nossa disposição, não conseguimos aceder às respostas que tanto almejamos receber.

Posto isto, aquilo que fiz, e que se pode assemelhar à tomada de uma resolução, foi somente ter presente esta ideia do começar a contar uma nova história.

Parecia simples.

Parece.

É simples.

(É que é mesmo simples! 🙂 )

Contudo, e como se pode constatar pelo intervalo temporal, tenho-me deparado com uma dificuldade considerável em levar esta ideia avante…

Ou não estivesse eu a dar azo, e a proporcionar um tempo de antena deveras centralizado, à sempre tão presente companheira de jornada desta vida: a resistência.

É que essa bendita tagarela insiste em focar-se naquilo que classificamos como aspetos negativos! O que até pode ser tolerado com alguma leveza quando ela o faz com o que está a ocorrer no momento atual. Contudo, ela é engenhosa o suficiente para ter a capacidade de ir buscar os eventos já idos e nós, na atenção que lhes prestamos, trazemos o passado para o presente e fazemos do presente o passado.

E é assim que, talvez sem termos noção disso, continuamos a contar – e a viver – uma e outra vez, a mesma história… Pode mudar o espaço, pode mudar o tempo, podem mudar os personagens – os secundários, pelo menos -, mas a narrativa na qual eu sou ou, no teu caso, tu és, o personagem principal, continuará, seguramente, a seguir o mesmo fio condutor.

Já tiveste evidências disso, não já? É quase certo que sim!

À medida que avançamos pelo caminho da Vida vamos enraizando em nós esta tendência para nos focarmos naquilo que percecionamos como sendo a realidade, ao mesmo tempo que, gradualmente, permitimos que diminua o ênfase, que outrora atribuíamos, à nossa capacidade de imaginar. De sonhar

Porém, se o nosso verdadeiro trabalho é Ser, é Sonhar é que é mesmo -, não deveríamos estar precisamente a seguir a via inversa e a nutrir a nossa capacidade de traçar as vias, os enredos, as histórias, dos sonhos que queremos manifestar?

Se tivesses a certeza que contar a história, mesmo que seja só na tela da tua imaginação, é o suficiente para ficares mais alinhado com a concretização do teu sonho, não estarias disposto a fazê-lo?

Imaginar apenas.

É tão simples, não é?

E talvez seja precisamente devido a essa simplicidade que a voz da resistência – que para além de tagarelar adora complicar 🙂 – se erga de modo tão firme e nós, no esforço que estabelecemos por escutá-la, tenhamos o dom de nos posicionar sempre como o principal – e único – obstáculo entre o ponto da história onde estamos e a história que queremos realmente viver.

Portanto, mesmo que a resistência pareça determinada em te fazer crer que as circunstâncias estão todas reunidas para colaborar na validação da realidade como realmente real, ou mesmo que algumas pessoas te considerem demasiado fantasioso e coloquem diante de ti palavras como “fica lá com a fantasia e a pouca realidade”, mesmo assim: experimenta!

Abre, literalmente, as asas da tua imaginação. E à medida que ela levanta voo por entre as páginas daquele que é o guião da tua Vida, lembra-te que o poder de autoria é teu.

Só teu!

E que pouco importam as páginas rasgadas ou as palavras rabiscadas.

Tu és o autor.

E na criação daquela que é a tua maior obra tens o poder de começar a contar uma nova história.

Sempre que quiseres.

Diverte-te a fazê-lo! 😉

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Anúncios

Vamos semear sonhos? – 5.ª parte

Como anda o teu processo de sonhar? Tens descoberto quais são as sementes dos sonhos que trazes em ti para que os possas semear? E o mais essencial: tens nutrido, mesmo que seja só por uns breves instantes por dia, o amor por ti?

Todos estes passos são indispensáveis para a concretização de sonhos e espero que, ao teu ritmo, andes a colocar os teus passos a trilhar o caminho que te leva em direção a eles!

Se tens vindo a perceber o que faz o teu coração vibrar, também tens vindo a desvendar quais são os desejos que te movem. Que é o mesmo que dizer que tens vindo a descobrir quais são as sementes dos teus sonhos e, como sementes que são, já contêm em si todo o potencial e informação para que possam germinar. Para que se possam manifestar.

Por esta altura, acredito que estejas mais consciente de que o Caminho do Amor é o terreno fértil em Abundância para que possas semear os teus sonhos e que o Amor-Próprio é efetivamente a seiva com que os podes nutrir.

Com esta tomada de consciência, lembra-te que só vives no Agora.

O instante em que estás a viver, mais do que ser o tempo presente, é o único momento em que podes realmente experienciar a Vida. E é nele que tens a possibilidade de semear os teus sonhos. Uma sementinha de cada vez…

No Ciclo do Sonho, é imprescindível que cultives os teus sonhos no Agora, tendo por base quem És, neste exato momento da tua Vida.

Esta fase do processo é tão importante porque, sonhos que sonhaste no passado, podem fazer-te vibrar por aquilo que achas que te faz falta. Por uma energia que já não és. Por outro lado, não o faças com o foco no futuro também, pois, ao te projetares nesse tempo que ainda está por vir, sais do momento em que estás a viver. E como deixas de estar presente neste que é o instante mais fulcral da tua vida, o mais provável é que, movido pela ansiedade da incerteza que é inerente a tudo o que é vindouro, coloques a semente, desse sonho que tanto queres ver brotar, no terreno do caminho do medo. E lá, ele acabará por germinar mas, nunca com o brilho, a magnificência e o encanto que só o terreno do Caminho do Amor pode proporcionar.

Portanto, tu és o agricultor dos teus sonhos. Como tal, tens de estar atento às épocas de cultivo respeitantes aos diferentes tipos de plantação, para que possas colocar as sementes na terra no momento mais propício à sua germinação.

Aqui chegados, estamos prestes a entrar naquele que talvez se possa considerar o passo mais difícil de conseguir estabelecer, e que é: entregar! Soltar…

E como aplicar analogias com o que acontece na Natureza nos ajuda sempre no processo de compreensão da nossa realidade, para entendermos melhor em que consiste o “soltar”, lembremo-nos do que faz o agricultor.

Depois de ele ter lançado as sementes à terra, por muito que tenha preparado o terreno e planeado o sistema de plantio, as condições meteorológicas, por exemplo, são condicionantes que ele não pode controlar.

Para além disso, ele não pode forçar a planta a brotar da terra e a crescer, antecipando o tempo da colheita. Ao agricultor, resta aguardar e confiar no próprio processo de germinação das sementes que lançou à terra. No seu íntimo, ele sabe e confia que elas contêm em si toda a informação necessária para se desenvolverem. Afinal, se ele deitou na terra sementes de macieira, serão macieiras que irão germinar.

Caso ainda te sintas em dúvida, lembra-te que tu também és um sonho manifestado!

Estás aqui, a ler este texto, como um ser humano completamente formado mas, também tu, já foste uma sementinha. Uma semente que, ao se dividir, se multiplicou. Da união de duas células, outras duas se formaram, até que fossem dezenas, centenas… milhares.

E a mãe que te abrigou no seu ventre, não teve de andar a pensar, a planear e a controlar como fazer para que os teus órgãos, as tuas pernas, os teus braços, os teus dedos, o teu corpo se formasse. Restou-lhe confiar no processo e esperar. Esperar o tempo da colheita. Esperar o momento do teu nascimento.

E aqui estás tu. Sonho manifestado e criado. Um sonho com vários sonhos dentro.

Todos esses sonhos que fazem parte do teu Ser, são sementes em estado de latência, aguardando as condições ideais para germinar. Sendo que tu és a única pessoa no mundo que os pode cultivar.

Por isso, respira. Profunda e calmamente. Foca a tua atenção na tua respiração e estarás a colocar as bases do teu Ser no Agora. Nesse instante, pergunta ao teu coração: o que posso fazer para que te sintas feliz? Qual é o sonho que queres manifestar? E deixa que a resposta surja. As respostas sempre surgem…

Quando ela surgir, irás perceber uma alegria que emana do teu coração. Permite-te vibrar por essa alegria e, quando sentires essa emoção com todo o teu Ser, podes ter a certeza de que estás a pisar o terreno fértil em Abundância do Caminho do Amor. Com essa certeza no peito, celebra quem és. Começa pelo ponto que mais gostas no teu Ser e expande esse sentimento. Expande o Amor por ti.

Nutre o teu Sonho com o teu Amor-Próprio e torna-o apto a manifestar-se. Quanto mais nutrido estiver o teu Sonho, mais Tu te manifestas também.

E lembra-te de soltar a semente. Lança a semente nesse terreno conectado com a Fonte e rega-a com a tua alegria.

Lança a semente confiando que ela contém em si tudo o que precisa para brotar e crescer.

O teu verdadeiro trabalho é Ser. É Sonhar. E no íntimo da tua essência, tu sabes que esse sonho é para soltar. É para entregar.

Confia!

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Vamos semear sonhos? – 4.ª parte

No texto anterior partilhei convosco que, o processo de escrever, dentro das circunstâncias atuais que estou a viver, se tem vindo a tornar num desafio crescente.

Para o nosso Ego, que nos incentiva a escolher o caminho do medo, basta um acanhado resquício de dúvida para que ele comece a alimentar-se. A ganhar estrutura. Dimensão.

Num instante, ele roda a chave na fechadura, escancara a porta e ainda tem lata suficiente para nos convidar a entrar, aliciando-nos não só a fazer a passagem para o caminho do medo mas, a permanecermos por lá.

E, por estes dias, é isto que a minha voz do ego tem andado a fazer…

Passaram-se algumas semanas e, mais uma vez, não cumpri com o meu compromisso de escrever um texto por semana. Então, essa vozinha da Resistência (também conhecida por Ego), insurgiu-se logo para ter tempo de antena. E quando sintonizada nessa estação de rádio, aquilo que mais oiço na minha mente é algo como: “Não tens tempo para isto!”; “É melhor parares!”; “Já não tens mais nada para escrever!”; “Ao fim destes meses não tens assim tantos leitores no blogue!”… and so on… and on… É tagareeela!

Perante a minha intenção de continuar, de algum modo, este processo de escrita e de partilha, aquela bendita voz retruca em catadupa.

Mas, o Universo, na sua maravilhosa maneira de trabalhar subtilmente, colocou-me, este mês, em contacto com o trabalho do Jeffrey Allen.

Durante muito tempo, Jeffrey exerceu a profissão de engenheiro, como trabalho a tempo inteiro, ao mesmo tempo que estudava e trabalhava com a energia (tudo tem origem no campo energético) em part-time.

Até que, um dia, após escolher seguir a voz da sua Intuição, foi encaminhado para vivenciar uma experiência que o levou a perceber que, ao contrário daquilo que julgava, ele era um trabalhador de energia (energy worker) a fazer de conta que era um engenheiro – e não um engenheiro que fazia de conta que era um trabalhador de energia.

Na pesquisa que fiz sobre o seu trabalho, acabei por encontrar este vídeo onde ele diz que, no caminho da nossa jornada espiritual, quando nos deparamos com o momento em que a Resistência se ergue e a mente nos coloca perante inúmeras desculpas para desistirmos, é porque estamos prestes a atingir o ponto de avanço. De evolução. O ponto de rutura com os velhos padrões e a movermo-nos para um novo estado. (Uma nova condição do nosso Ser.) Por isso, em vez de pensarmos “Estou prestes a colapsar”, podemos efetuar uma pequena mudança de perspetiva e pensar “Estou prestes a progredir.”

Entretanto, no blogue, em relação a este texto, e por parte de uma das leitoras mais assíduas, deparei-me com o seguinte comentário: “(…) Comecei a minha jornada em descoberta do Caminho do Amor na mesma altura em que publicaste o teu primeiro texto. Na altura, achei uma coincidência muito feliz e encarei-a como um sinal. Um sinal que me indicava que estava no caminho certo. Procuro, todos os dias, colocar os meus pés junto dos alicerces do meu Ser… Nem sempre é fácil. E, também por isso, é muito bom saber que estás desse lado. (…) Obrigada!*” e, nesse instante, pelo impacto que me gerou, percebi que ele iria fazer parte do corpo do texto que agora escrevo pois, para mim, num momento em que a Resistência estava em expansão, também o encarei como um sinal. Um sinal para continuar. Um sinal que me indica que estou no Caminho certo! Por isso, Obrigada, Juliana! Foi realmente muito bom perceber que também estás desse lado.

E o certo é que, no somatório de todos estes eventos, estou efetivamente a sentir-me a passar por um momento de mudança. Porém, deixo essa partilha para o próximo texto.

Por agora, e pelo trajeto percorrido, parece-me que este acaba por valer pela recordação de que, mesmo que ocorram imprevistos, e que eles resultem em tropeços no caminho para a realização dos nossos sonhos, isso não é fator de impedimento para que as suas sementes brotem.

Fica atento aos sinais e, se a voz da tua Resistência se estiver a tornar dominante, talvez seja porque estás mais perto de te conectar com o teu Ser. Com os teus Sonhos.

E é aqui que reside o super-poder da tua Liberdade de escolha: ou aceitas o convite para entrar no caminho do medo, desistindo daquilo que faz a tua essência vibrar; ou encaras esse convite como a alavanca da oportunidade para poderes realmente progredir na tua jornada.

E enquanto escutas essa voz da Resistência, não lhe resistas mais. Inflama o peito com a tua amorosidade e agradece-lhe.

Ela foi a lembrança de que podes escolher o Caminho do Amor.

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

 Aproveito para deixar um grato agradecimento 🙂 a todos(as) os que por aqui têm passado e que vão partilhando um pouco da sua jornada comigo. Isto é muito mais incrível com vocês desse lado! Obrigada, de ❤

Fonte da imagem: https://www.flickr.com/photos/emraistlin/9801261825/in/photostream/

Susana Martinho

Vamos semear sonhos? – 3.ª parte

Na semana passada, pela primeira vez desde que assumi o compromisso de escrever um texto por semana, não o consegui cumprir. Encontro-me numa situação laboral que me ocupa demasiadas horas (bem mais do que aquelas que seria suposto) e, com o acumular do cansaço, foi-se acumulando também uma sensação de descrença, em relação ao que por aqui tenho vindo a escrever (desvio para o caminho do medo).

Como tal, foi-me necessário fazer uma pausa e persistir em olhar para todas as circunstâncias à luz do que tenho vindo a aprender e a sentir. Foi-me necessário tirar algum tempo para sentir-me! Para conectar-me com o SER e conseguir estar aqui de novo, pronta para continuar e colocar os meus passos dentro do Caminho do Amor.

Achei até uma certa graça ao facto de a necessidade de fazer uma pausa ter surgido ao fim de 21 textos. Afinal, apregoa-se que para uma mudança se tornar efetiva requer 21 dias seguidos de prática. No caso, não foram 21 dias mas, 21 semanas. 🙂

Vinte e uma semanas que me foram essenciais para começar a considerar que Sonhar pode ser algo fácil de realizar.

Atualmente, atrevo-me mesmo a dizer que Sonhar é fácil. O processo é simples. Só que, devido às inúmeras voltas e reviravoltas que damos na vida, temos de (re)aprender a fazê-lo. E é aí que reside a dificuldade pois, para podermos sonhar de acordo com aquilo que somos, temos de reunir a Coragem necessária para descobrirmos quem somos. E, numa primeira fase, essa é uma viagem que muitos de nós podem não estar na disponibilidade de fazer.

Afinal, durante muito tempo, fomos incentivados a olhar para fora. A compararmo-nos com os outros, para que entrássemos num modo de competição que nos fizesse almejar tudo o que nos motivasse a despender tempo, esforço e dinheiro, para adquirirmos bens e profissões que pudéssemos ter, de modo a que pudéssemos ser supostamente felizes e bem-sucedidos.

Passámos anos a viver dentro desse paradigma, a cimentá-lo bem forte dentro de nós. E mesmo quando percebemos que esse modelo de nada nos serve, custa-nos a sensação de ter que o derrubar. Por um lado, porque estamos apegados à sua ideia. Ao trabalho levado a cabo, por anos a fio, para o erguer, bem alto e seguro. E, como se trata já de um exuberante edifício, com vários andares, só o facto de considerar a hipótese de derrubá-lo e elaborar toda uma nova construção, de raiz, paralisa-nos. Por outro lado, é do alto desse edifício que conseguimos percecionar o quanto nos afastámos do projeto inicial que desenhámos, enquanto ainda sonhávamos com a emoção do sentimento das singelas alegrias que nos faziam vibrar.

E é aí que constatamos que a altura desse edifício corresponde à distância que percorremos em relação a quem somos. Foram todas as vezes em que nos amámos um pouquinho menos que nos permitiram construí-lo. E como passámos tanto tempo a amarmo-nos um pouquinho menos, explode a dúvida de que consigamos resgatar o nosso amor-próprio.

Do topo daquele edifício, o sentimento mais nobre que podemos nutrir por nós mesmos, parece-nos um pequeno ponto, ínfimo, no horizonte.

Tão distante…

Tão distante que questionamos se valerá realmente a pena despender tempo a tentar regressar para ele.

E atendendo ao tempo das nossas vidas que aquele edifício tomou a construir, parece impossível que consigamos voltar a projetar um novo modelo, que esteja em harmonia com quem somos, e que o consigamos erguer desde os alicerces, tendo por base o amarmo-nos um pouquinho mais.

Por esta perspetiva, voltar a sonhar parece realmente difícil, distante… quase impossível.

Só que, tal como no caso da Torre ao estilo Rapunzel, basta escolheres mudar de perspetiva. Basta que escolhas, neste exato momento, amares-te um pouquinho mais.

Essa escolha é o suficiente para dares o Salto Quântico. Essa escolha é o estritamente necessário para que te permitas começar a diluir esse edifício e para que coloques os teus pés junto dos alicerces do teu Ser, dentro do Caminho do Amor.

Porém, ao fim de tanto tempo longe de ti, talvez te depares com alguma dificuldade em recordar como é que te podes amar um pouquinho mais. Pode ser que te encontres naquele ponto em que consideras que já não há nada para amar ou que nem vales a pena o esforço e o tempo da mera tentativa.

Pois eu atrevo-me a dizer que vales.

Tu vales a pena!

Posso não te conhecer. Posso não saber nada da tua história. Mas, o facto de estares desse lado é o suficiente, pois é a prova de que estás aqui. Incluído neste Universo onde tudo foi criado com uma intenção.

Por isso, não importa por onde começas. O que importa é que o faças: escolhe amar-te.

Já. Agora!

Olha para ti. Aprecia as tuas mãos, os teus dedos, as tuas unhas, os braços, as pernas, os pés… Se quiseres ser mais arrojado (porque não?), coloca-te em frente ao espelho e aprecia os teus olhos, o teu cabelo – ou a careca 🙂 – o nariz, os lábios, o queixo, o teu jeito de sorrir… um sinal qualquer que te seja característico. E, no meio dessa imensidão de possibilidades, descobre algo em ti que realmente gostes.

Sentes que te é mais desafiante começar pelo corpo físico? Tudo bem! Pensa nas características da tua personalidade. Quais são os traços do teu Ser que te fazem sentir na tua mais alta energia? É a tua simpatia? A tua generosidade? A tua sinceridade? A tua gentileza?

A lista de possibilidades é imensa…

Não importa que seja o corpo todo ou só a ponta da unha do dedo mindinho do pé direito. Não importa que transbordes autoestima pela tua personalidade ou que só consigas descobrir um traço dela que realmente aprecies. O que importa é que te foques nesse aspeto que consegues gostar em ti.

Foca-te.

Sente o quanto gostas dele.

Sente o quanto gostas desse bocadinho de ti.

E fica aí. Fica aí um pouquinho, só a sentir.

A amar-te.

Tu mereces.

Celebra o teu SER. Celebra-te com Amor-Próprio e estarás também a celebrar os teus SONHOS.

E em jeito de celebração da Páscoa, faz hoje, Agora, e sempre que necessário, esta Passagem para o Caminho do Amor.

E que tenhas uma Páscoa Feliz!

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Vamos semear sonhos? – 2.ª parte

Se o Amor-Próprio é a seiva dos nossos sonhos, inevitavelmente, começo este texto questionando-te e questionando-me: como está o teu Amor-Próprio?

No que a ti diz respeito, só tu poderás saber mas, espero que consigas gerar a Coragem necessária para que te respondas com sinceridade.

Quanto a mim, se por aqui me acompanhas há algum tempo, talvez te lembres que já por diversas vezes reconheci que, ao longo da minha vida me movi, maioritariamente, pelo caminho do medo. Portanto, fica óbvio que o Amor que eu nutria por mim era praticamente inexistente.

Afinal, se fazemos as nossas escolhas dentro do caminho do medo, é porque não conseguimos nutrir Amor-Próprio suficiente, para gerar a Coragem necessária para fazermos as nossas escolhas dentro do Caminho do Amor.

Contudo, uma das maiores evidências – até para mim mesma – de que estou a mudar a minha forma de escolher, é a existência deste blogue e o facto de eu estar aqui presente, todas as semanas, a partilhar convosco os passos que vou dando nesta minha jornada.

E, se tal como eu, te encontras numa situação em que sentes que tens de reestabelecer a conexão com o teu Amor-Próprio, então, em nome do quê o perdeste em primeiro lugar? Em nome do quê o deixaste ir?

Sim, porque foste tu quem escolheu deixar ir o teu. Fui eu quem escolheu deixar ir o meu.

Lembras-te que nascemos na vibração do Amor?

Embora seja possível que, à primeira vista, tudo pareça consequência de um acaso fortuito, o certo é que, tudo o que existe no Universo é decorrente de um momento de criação onde nada foi deixado ao acaso. Nós vivemos rodeados por sonhos manifestados e, como seres resultantes dessa Fonte de Abundância de onde tudo emergiu, cada um de nós é também um sonho manifestado.

Cada um de nós é um sonho que brotou dessa vibração do Amor, que se propagou e continua em estado de expansão. É atendendo a este facto que me atrevo a afirmar que nascemos repletos de Amor-Próprio.

No momento do seu nascimento, um bebé não se queixa com falta de amor-próprio, nem se sente menos merecedor daquilo que realmente merece. Antes pelo contrário. Um bebé reúne em si os meios necessários para chamar a atenção dos seus progenitores, de modo a que as necessidades fundamentais para a sua subsistência e bem-estar sejam respondidas. Ele sabe que precisa de ajuda e que merece recebê-la. E sente-se merecedor precisamente porque está no Caminho do Amor.

De algum modo, o bebé sente quando tem uma necessidade que precisa de ser atendida. E é por saber que merece ajuda para a resolver, que ele recorre aos mecanismos que lhe são disponíveis para chamar a atenção dos pais. Normalmente fá-lo através do choro. E caso este seja ignorado com alguma frequência, e se trate de um bebé mais passivo, até pode ser logo nos seus primeiros dias de existência que o primeiro desvio para o caminho do medo é concretizado. Afinal, se o seu choro, que abrange uma necessidade, vai sendo ignorado, o próprio bebé também se sente ignorado. A partir daí, chorar não vale a pena, simplesmente porque ele próprio também não vale a pena. E, ainda bebé, aquele Ser escolheu: um pouquinho menos de Amor-Próprio…

Eu não me lembro de qual foi o momento em que efetuei o meu primeiro desvio do Caminho do Amor para o caminho do medo. Mas, como já partilhei convosco por aqui, aquele que consigo identificar como um dos primeiros momentos, aconteceu ainda em tenra idade.

E embora não consiga recordar qual foi o momento exato em que escolhi, pela primeira vez, suprimir ou reprimir uma experiência que vivi, atualmente, tenho plena consciência de que, nesse instante, escolhi também, em simultâneo e de forma inconsciente, suprimir ou reprimir uma parte de mim. E foi aí que comecei a amar-me… um bocadinho menos…

É inevitável. De cada vez que tentamos camuflar uma parte de nós, também escolhemos amarmo-nos um pouquinho menos.

E mais uma vez importa lembrar que se trata de uma escolha pessoal e intransmissível, que tantas vezes tomamos ao longo da nossa vida.

Portanto, perante a pergunta “Em nome do quê deixei ir o meu Amor-Próprio?”, aquilo que eu respondo é: em nome dos medos. Uma lista bem extensa deles. Uma lista que começou a ser elaborada desde a primeira vez em que escolhi dar o passo que me colocou no caminho do medo.

Só que a Vida é sábia. E na sua sabedoria ela vai-nos devolvendo a imagem das escolhas que fazemos.

E nós sentimos.

Nós sentimos as perdas, as lutas, as angústias e as tristezas. Nós sentimos os esforços vãos. Nós sentimos as frustrações e as estagnações. Nós sentimos as mágoas que se infiltram até à alma… E é em todos esses sentimentos que sentimos que nos desconectámos de algo. Que algures pelo caminho nos perdemos de nós.

E tal como o bebé chora quando sente que precisa de ajuda para resolver uma necessidade que é fulcral para a sua sobrevivência e bem-estar, assim o sentimento de perda e de desconexão te convida a sentires o pulsar da força que tudo une e tudo conecta: o Amor!

Tudo isto é o mesmo que dizer que, na sua sabedoria, a Vida convida-nos a escolher de modo diferente. A escolher o Caminho que brota da Fonte. A escolher o Caminho do Amor.

E, de cada vez que o escolhes, estás a amar-te um pouquinho mais

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Fonte de inspiração: https://maeguru.wordpress.com/category/nao-deixe-seu-bebe-chorando/

Vamos semear Sonhos? – 1.ª parte

Se uma árvore, para quem a observa e consegue sentir a alegria que remanesce dessa contemplação, pode ser um sonho, então, já reparaste na importância que pode ter uma simples semente no processo de manifestação desse mesmo sonho?

No caso das árvores, e das plantas em geral, ao contrário do que sucede com outros espécimes da Natureza, elas estão mais limitadas em relação à procura de condições favoráveis para o seu crescimento e desenvolvimento. Assim, no decorrer do seu processo evolutivo, elas foram desenvolvendo vários mecanismos para se dispersarem e distribuírem pelo mundo através de sementes.

E apesar de, em tamanho, uma semente poder ser minúscula quando comparada com a plenitude da árvore que dela resultar, a sua importância é extremamente vital em todo o processo da manifestação do sonho que é a árvore. É no seu interior que habita toda a informação necessária para que essa árvore se possa formar em todo o seu esplendor.

E num planeta habitado, para além de inúmeras árvores e plantas, por bem mais de 7 mil milhões de pessoas, sendo, cada uma delas, uma essência singular no mundo – um único sonho manifestado – é natural que cada um de nós traga em si os seus próprios sonhos para realizar. As suas próprias sementes para semear.

As nossas sementes são os nossos desejos. E todos os desejos que conseguimos pensar contêm em si todo o potencial e informação necessários para que os consigamos manifestar. Porém, assim como as sementes das plantas precisam de chegar a uma região onde estejam reunidas as condições ideais e favoráveis à sua germinação e crescimento, as sementes dos nossos sonhos também necessitam de condições propícias à sua manifestação.

As condições que somente cada um de nós, através das escolhas que faz a cada instante, pode proporcionar. E como cada escolha que faço me coloca num de dois caminhos – medo ou Amor -, e como as nossas escolhas são pessoais e intransmissíveis, sou eu quem escolhe o terreno, o solo, para acolher as sementes dos meus desejos. És tu quem escolhe o teu.

Portanto, onde é que queres semear os teus sonhos?

Dos dois caminhos entre os quais vamos caminhando pela Vida, apenas um tem um solo fértil em Abundância. Há apenas um caminho onde, aconteça o que acontecer, tudo o que brota no seu terreno dá certo. Tudo flui. Um caminho onde tudo o que ocorre serve um bem maior, embora nós, devido ao facto de estarmos turvados pela identificação com os nossos medos e resistências, tenhamos imensa dificuldade em reconhecê-lo. Dificuldade essa que surge quando nos estamos a mover pelo caminho do medo, onde também semeamos sonhos, sem repararmos que o solo onde deitamos as nossas sementes é árido, compacto e denso, o que impede o oxigénio de circular para que possa ser absorvido pelas sementes.

Quando seguimos pelo caminho do medo, é apenas com medos que podemos regar as sementes dos nossos sonhos. Mesmo assim, admiramo-nos quando eles germinam mirrados e ressequidos, e pensamos que não foi nada daquilo que semeámos… e que realmente sonhámos.

Contudo, se é no terreno da escassez do caminho do medo que semeias os teus sonhos, lembra-te que o super-poder de escolha é teu! E que o Caminho do Amor, apesar de lhe ser oposto, segue paralelo ao caminho do medo. Portanto, se consegues escolher estar num, também consegues escolher estar no outro.

Neste ponto, sou remetida para esta imagem que já coloquei noutro texto:

Caminho do Meio

E que creio que nos ajuda a perceber que é realmente fácil transitarmos de um caminho para o outro. Basta que mudemos a nossa perceção. A maneira como nos focamos, interpretamos e sentimos nas diversas situações.

Portanto, é fundamental que te acolhas! Que te sintas. Que te permitas Ser.

Sente-te. Aceita quem És. Sê quem és no mundo. Sem julgamentos. Sem culpas. Sem sequer estares preocupado com a eventual duração desse sentimento. Neste momento, não importa se o consegues fazer por muito ou pouco tempo. Se é um sentimento que vai permanecer contigo ou não.

Agora – no Agora – importa apenas que sintas.

Sente! Mais e mais. Vibra pela alegria de te permitires Ser.

Tu tens uma fábrica de emoções dentro do teu peito. Deixa que ela produza essa emoção até que ela se espalhe por todo o teu Ser. E é neste instante em que dás o salto para o Caminho do Amor, que estás também repleto dos nutrientes necessários para o plantio dos teus sonhos.

Ao nutrires Amor por TI, automaticamente, forneces os nutrientes essenciais para que as sementes dos teus sonhos, os teus desejos, possam germinar.

Por isso, quando estiveres na berma desse terreno fértil, nutre o Amor por Ti. Respira profundamente. Coloca uma mão no peito e sente o pulsar do teu coração. E quando o sentires, diz a ti mesmo, verbalizando as palavras de maneira a que a vibração da sua energia se espalhe por ti e à tua volta: Eu gosto de ti!

Acolhe tudo o que sentires no momento em que verbalizares estas palavras. E mesmo que seja apenas por uma mera fração de segundos, permite-te gostar de ti. Sê gentil contigo.

E agora sim, semeia. Semeia os teus sonhos e nutre-os com esse sentimento.

O teu Amor-Próprio é a seiva dos teus Sonhos!

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Como te sentes em relação a sonhar? – 1.ª parte

Antes de ter formatado o computador e ter mandado tudo ao ar, o texto que eu já tinha delineado passava pela partilha do meu testemunho pessoal em relação à temática abordada nestes textos mais recentes: resoluções, objetivos… e sonhos!

Como partilhei convosco aqui, durante muito tempo, fiz por me manter a girar no círculo da realização dos rituais gerados em torno das resoluções de Ano Novo. Ao mesmo tempo, acreditava que era possível sonhar e que os sonhos só se concretizavam através de um investimento pessoal muito específico, que normalmente se expressa através do esforço… da luta!

E foi nesse registo de esforço e de luta que concretizei aquele que considero que foi um dos maiores sonhos da minha vida, até ao momento – ser professora do 1.º ciclo do ensino básico.

Não sei se terás percebido a subtileza contida nas últimas 8 palavras do parágrafo anterior. Eu, como acabarás por entender, demorei anos a percebê-la…

Ser professora do 1.º ciclo foi realmente o grande sonho da minha vida, no qual investi esforço e luta até porque, aquilo que era – ainda é – apregoado, é que temos de ir à “luta” pelos nossos sonhos.

O investimento de esforço, assim como a importância atribuída ao exercer da profissão, foi-me sempre tão grande e de tanto valor que, quando a vida foi soberana e me retirou qualquer probabilidade de voltar a ingressar na atividade, o chão saiu abruptamente debaixo dos meus pés.

Como essa reviravolta da vida aconteceu numa altura em que os indícios apontavam no sentido da oportunidade de exercer a profissão se tornar mais definitiva, instantaneamente, senti-me a entrar em queda-livre, com a consciência de que estava a cair num buraco de uma profundeza imensa. E, ao mesmo tempo que era dilacerada pela dor da perda, sentia a inquieta perturbação da dúvida da capacidade de sair do lugar por onde tinha acabado de me aprofundar.

Este foi também o momento determinante em que escolhi deixar de sonhar. Naquela altura, constituí o facto de ter sonhado como o grande responsável pelo sofrimento pelo qual estava a passar e comecei a considerar que, esse gesto de idealizar o que quer que fosse que quisesse concretizar ou obter, era somente a construção de uma enorme ilusão, de um engano… de uma esperança completamente irrealizável.

Sonhar, simplesmente não valia a pena… era apenas tempo perdido.

E tempo, numa dose considerável, foi também o que necessitei para atingir o fundo daquele poço e, de tão fundo que o cavei, outra dose em igual medida foi requerida para de lá sair.

Quando me senti de novo a pisar chão debaixo dos pés, deixei para trás, não só o caminho que me levava àquele lugar, mas também a vontade de sonhar…

Fui bastante perseverante em manter a firmeza da ideia de que sonhar era um equívoco. Para terem uma noção, os acontecimentos que aqui vos relatei aconteceram entre 2011 e 2012 e, só em 2017, voltei a ficar recetiva em relação à ideia de se poder sonhar.

Creio que demorei tanto tempo porque, as primeiras lições que eu retirei da situação não eram as mais importantes a reter.

Um dos ensinamentos que aprendi com aquele desenrolar de eventos, foi a não atribuir tanta importância à profissão que eu estiver a exercer, no sentido de não encará-la como definitiva.

Porém, a lição mais importante, que tenho de fazer por ter presente, e que só tomei consciência dela no ano passado, foi: eu não sou aquilo que faço!

Mas eu considerava que era… e não se tratava apenas de uma questão semântica.

SER professora era mesmo a forma como eu vivia não só a profissão, mas a Vida! De forma a compensar outras lacunas que considerava que tinha na minha vida, fiz da profissão o meu ser e projetei para ela tudo aquilo que me seria importante.

Colocado desta forma, fica muito mais fácil perceber a razão de ter caído num buraco tão fundo, quando me vi sem possibilidade de a exercer, não é? A sensação que tive na altura foi a da vida a fugir-me, levando com ela tudo o que me era essencial.

Não sei quanto a ti mas, no que a profissões diz respeito (e não só) creio que somos muitos os que acabam por aglutinar estes dois conceitos: ser e ter. É com extrema facilidade que devolvemos uma resposta começada por “Sou…”, quando somos questionados sobre o que fazemos na vida profissionalmente.

Tu não és o que fazes! SER, tu já és! Sempre foste. Desde que nasceste e talvez até antes disso. A profissão é algo que tens, que exerces, que fazes.

E o que é que isto tudo tem que ver com sonhos? Pois, lá vou eu começar mais uma “partitura”. 😀

Quanto a ti, conta-me, respondendo com a primeira ideia que te surge na mente: se eu te perguntasse agora “O que fazes na vida em termos profissionais?”, com que palavra iniciarias a tua resposta?

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Como te sentes em relação à Coragem?

Permitiste-te a possibilidade de experimentares, mesmo que por um breve instante, as ferramentas – ou algumas delas – que (creio que cada vez estás mais seguro desta certeza), estão em ti? Espero que sim! E, se foi esse o caso, como te sentiste ao fazê-lo?

Quando começamos a permitir acolher cada uma das nossas partes, a conhecermo-nos e a descobrir em que localizações do nosso Ser temos as ferramentas guardadas, vamos adquirindo clareza.

Se tens vindo a dar os teus passos, acompanhando-me nesta jornada, com certeza que agora te é mais fácil compreender que, a partir do momento em que o nosso ponto de vista sobre uma determinada situação ou evento muda, a nossa perceção muda também. A mudança de perspetiva gera mudança de perceção e, no exato momento em que estas mudanças ocorrem, ficamos reconectados com o Caminho do Amor.

Como as imagens são preciosas para nos ajudarem na assimilação de conceitos, a que se segue é um bom exemplo da ideia que acabei de descrever.

Caminho do Meio

Num lado, temos o caminho do medo. Do outro lado, temos o Caminho do Amor. E à medida que vamos seguindo pelo caminho da Vida, com as mudanças de perceção que vamos fazendo, facilmente nos colocamos num dos lados.

Gerando energia, – e continuando a estabelecer a analogia com o átomo – afastamo-nos do núcleo que nos absorve e mudamos a nossa realidade. Damos um salto quântico para o lado do Amor, expandimos a nossa Consciência, abrangemos novos horizontes e elaboramos uma mudança estrutural nos nossos padrões mentais, abastecendo-nos da força que nos permite construir a base para sustentar e criar os nossos sonhos.

No entanto, perdendo essa mesma quantidade de energia, damos um salto quântico que nos coloca de novo junto ao núcleo, dentro do caminho do medo.

E embora o Caminho do Amor seja o da Abundância, aquele por onde, provavelmente, gostaríamos de nos mover o tempo todo, o certo é que, ao longo da Vida, vamos “saltitando” entre os dois.

E é bom que assim seja. É nesta dualidade que nos vamos desenvolvendo, aprendendo e evoluindo. O medo também faz parte da Vida e, como tudo o que nela existe, também deve ser acolhido e integrado em nós. Isto não significa que permaneçamos no seu caminho, mas que temos de contactar com ele. Só conhecendo a escassez somos capazes de reconhecer a abundância. E esta é apenas uma das vertentes positivas do caminho do medo.

Contudo, a positividade que é possível encontrar no caminho do medo é algo que poderá ser abordado num próximo texto. Por agora, e porque já há tantas semanas nos tem acompanhado, gostaria de destacar, como tão bem ela merece, a palavra, a ferramenta, a chave: Coragem.

Afinal, estes são dias em que, de forma mais ou menos consciente, acabamos por fazer um balanço das experiências vividas ao longo do ano que se despede e deparamo-nos a projetar metas, objetivos, conquistas… sonhos, que queremos converter em práticas a serem desfrutadas ao longo dos meses que estão prestes a brotar, repletos de dias conotados com a subtil leveza das novas oportunidades.

E há um elemento que é comum a todos estes marcos. Consegues identificá-lo? O fator que se constitui como elo de ligação entre as metas, os objetivos, as conquistas e os sonhos é: a mudança.

Qualquer mudança ou transformação que desejamos fazer, envolve sempre que saiamos do muro que construímos à nossa volta – da tal torre ao estilo Rapunzel. E, como já constatámos antes, quando saímos de lá, deparamo-nos com o desconhecido.

Esse é um momento que se constitui como um grande desafio porque, somos imediatamente confrontados com a sensação de que não temos todos os recursos, talentos, conhecimentos, habilidades, ferramentas… para conseguir vencer esse mesmo desafio.

E realmente podemos não ter todos os recursos necessários. Podemos não ter conhecimentos ou habilidades suficientes mas, as ferramentas estão todas em nós, incluindo aquelas que nos permitem desenvolver os tais conhecimentos e habilidades. Porém, como podemos não nos lembrar da localização exata da ferramenta que precisamos ou da melhor forma de a utilizar, somos toldados com a sensação de que não a temos. É mera aparência. Contudo, se nos deixarmos levar por ela, lá ficamos nós a girar à volta do núcleo, sempre na mesma órbita.

Portanto, este é o momento determinante para que consigamos criar Coragem. Coragem para nos arriscarmos numa situação, numa experiência completamente nova, sem termos todo o know-how que gostaríamos de ter.

A poucos dias daquela que é a altura do ano em que, muito provavelmente, o estabelecimento de metas, objetivos e sonhos atinge o seu auge, venho convidar-te a gerares a tua Coragem.

Como? Lembrando-te dos momentos em que a sentiste.

Consegues identificar alguns momentos da tua vida em que sentiste Coragem?

E hoje? O que farias na tua vida, hoje mesmo, se conseguisses gerar Coragem?

Pensa num micro-sucesso, por muito pequenino que seja, que consigas obter hoje. E agora: vai e faz!

Compromete-te a ter presente esta postura perante cada sonho que queres concretizar no próximo ano. Estabelece a tua Coragem, salta de órbita e, se esses sonhos movem o teu coração, entrega-te com o teu Ser a cada um desses desafios.

São estes os meus votos para ti. Para nós! Que tenhas um 2018 repleto de bons saltos!

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho