Pelo outro ou por mim? – 3.ª parte

Sinto-me contente por continuares desse lado a acompanhar-me, tanto na leitura, como na partilha do processo de descoberta. Eu, de mim. Tu, de Ti mesmo.

Não sei se sucede o mesmo contigo mas, eu sinto um fascínio imenso no desdobrar desta jornada. E embora ande na minha própria companhia há alguns anos, continua a firmar-se a presença da sensação de que há sempre algo novo a descobrir. A (re)lembrar.

Estes textos mais recentes são-me um bom exemplo disso mesmo.

Para vocês ficarem com uma noção, já tinha sentido que teria de abordar esta temática há cerca de uns três meses. Quando comecei a escrever aquele que se tornou na sua 1.ª parte, considerei que apenas um texto bastaria. Porém, à medida que me vou envolvendo nas palavras e na sua simbiótica reflexão, de vez em quando, emerge uma… possibilidade. Uma possibilidade que me transporta, por uma fração de espaço que se estende diante de mim, para um estado um pouquinho mais além do que aquele onde me encontrava.

São pequenos momentos em que me sinto a abranger mais. A acolher. A integrar. A expandir… E o que resulta daí, de forma mais visível neste suporte, são textos também mais extensos, que acabam por ter de se subdividir.

Aquilo que não se torna tão visível para vocês mas, que eu sinto bem no âmago do meu Ser, de cada vez que o processo flui pelo processo que acabei de vos descrever, é uma imensa Alegria.

E pegando neste ponto posso aproveitar para estabelecer uma ponte com o tema que temos vindo a abordar. Afinal, apesar de eu ter a intenção de que os textos que escrevo cheguem ao maior número de leitores possível, e que cada um de vocês reúna a Coragem necessária para partir – ou continuar – à descoberta de Si mesmo e dos seus Super-Poderes, a verdade é que o faço, essencialmente, por mim. Sou eu a primeira privilegiada a usufruir da sensação de bem-estar que obtenho com todo o processo de escrita e de partilha.

Sou egoísta. Contudo, como referi no texto anterior, ainda estou em fase de aprendizagem. Ainda estou a aprender a aceitar e a acolher esse meu lado, sem lhe inculcar nenhuma carga de que a sociedade me possa considerar uma “má” pessoa, de cada vez que reconheço que faço o que faço por mim. Sempre!

É em momentos como este, em que, apesar de ter em mim uma certa dose de preocupação com essa validação externa, escolho avançar pelo caminho que pode não ser o expectável para os outros mas que, pela orientação do norte da minha bússola interna e pela incrível sensação da vibração que daí resulta, me permite sentir, mesmo que por breves instantes, mais próxima de quem realmente Sou. E à medida que essa contiguidade com a Fonte se vai clarificando, desponta em mim a capacidade de reunir um pouco mais de Coragemé preciso Coragem para escolher o Amor sobre o medo. A dose de Coragem necessária para afirmar que, ser egoísta, dentro do Caminho do Amor, é o nosso estado mais natural de Ser.

Se bem que, mesmo quando não nos estamos a mover no Caminho do Amor, continuamos a exercer as nossas ações por interesse próprio. Sempre.

Por exemplo, quase de certeza que todos nós já ouvimos alguém a dizer-nos: “Estás a ser muito egoísta neste momento!”. Quase de certeza que tu, tal como eu, já disseste a alguém: “Ao agires assim, estás a ser muito egoísta!”.

Atendendo ao que fomos decidindo incutir na nossa programação interna, ao longo dos nossos primeiros anos de existência, proferir expressões semelhantes às enunciadas em relação a um determinado comportamento ou atitude do outro, tornou-se algo habitual. Um habitual que se torna tão frequente e quotidiano no nosso meio envolvente, que nem nos questionamos sobre o que estamos efetivamente a fazer.

E o que é que estamos efetivamente a fazer?

Para não generalizar, até porque a reflexão está a partir de mim e sou eu quem tem de apresentar a sua resposta, vou reformular a questão: “O que é eu estava efetivamente a fazer de cada vez que dizia a alguém: «Estás a ser egoísta»?”

E o incrível é que a resposta que me surge é bastante simples.

De cada vez que eu dizia a alguém que essa pessoa, num certo conjunto de circunstâncias, estava a ser egoísta, no fundo, o que eu lhe estava a dizer era que ela não estava a ter em conta os meus próprios interesses. E se estou a querer que o outro tenha os meus interesses em conta, estou a agir por interesse próprio. Portanto, de cada vez que eu apontava essa característica em alguém, estava a ser o quê? Ora lá está! Sempre a tal da egoísta.

Só que, como temos vindo a perceber, esta forma de ser egoísta é exercida dentro do caminho do medo. O caminho que nos leva à desconexão com a nossa essência. O caminho da vibração da escassez. Da falta…

Se preciso que o outro tenha em consideração os meus próprios interesses, é porque há algo que me está a faltar. E o leque daquilo que me poderá estar em falta pode ser imenso. No entanto, há apenas uma pessoa no mundo capaz de identificar, e colmatar, essa mesma falta.

Não foi o outro quem colocou a falta em mim. Fui eu.

Mesmo que o outro tenha tentado exercer alguma influência para que essa sensação de falta surgisse ou permanecesse, a única pessoa responsável pela escolha de aceitar essa influência sou eu. Sempre eu.

No teu caso, sempre tu.

E por muitas voltas que demos, vamos parar sempre a este ponto. Sempre eu. Sempre tu. Sempre os próprios interesses de cada um.

E, caramba, tenhamos Coragem para tomar esta Responsabilidade para nós. Pois, de cada vez que o fazemos, sentimos o sabor da nossa própria Liberdade. E ela sabe tããão bem…

Sentiste-a a começar a fervilhar em ti?

Por aqui, ela marcou presença. Espero que contigo também. Se assim foi, fica a saboreá-la um bocadinho. Deixa que ela se espalhe e difunda em ti. Fica só a senti-la. Ela merece.

E tu também!

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho

Anúncios

Objetivos… mas com Flexibilidade – 1.ª parte

Antes de mais, aproveito para vos dar as boas-vindas a 2018, dentro deste espaço que também é vosso. A todos os que o partilham comigo, cá estamos recém-chegados, a um Ano recém-nascido, ainda no fulgor do estabelecimento de metas e objetivos nos quais, muitos de nós, incutem a carga da esperança de “desta vez é que é”, como se fosse neste novo ano que, finalmente, nos dotássemos da coragem para cumprir com aquela(s) meta(s) que, a cada virar de ano, colocamos na lista de resoluções e que, no final de todos eles, percebemos que contribuímos apenas para o prolongar da continuidade de um sentimento de irresolução.

É com esta extrema facilidade que formamos o círculo vicioso em que a nossa maior resolução de ano novo é elaborar, constantemente, uma irresolução…

Durante alguns anos fiz por me manter a girar nesse círculo. No momento da contagem decrescente, pensar quais eram as intenções que queria concretizar na minha vida era algo que tinha como importante. Algo que eu considerava que poderia realmente estabelecer-se como uma mudança, num futuro que, à medida que os números diminuíam, ficava cada vez mais próximo.

Só que, sem me aperceber, o que realmente acontecia era o seguinte: o estabelecimento das minhas intenções, o conectar-me com elas, durava somente a fração de tempo que decorria entre o brindar, o subir ou não a uma cadeira, segurando uma nota na mão, enquanto comia as 12 passas como se, algures no percurso do processo elaborado pelo sistema digestivo, o associar de cada desejo a uma passa, lhe conferisse maior poder de concretização.

Não sei quanto a vocês mas, após esta descrição, só me ocorre dizer: dahhh! 😀

Exposto assim, fica quase inevitável a sensação de descrença perante a credibilidade que atribuíamos a tais rituais. Mas, como estávamos inseridos num meio em que nos transmitiam a ideia da máxima importância do estabelecimento de objetivos – que, por sinal, já estavam pré-estabelecidos por outros -, sem que nos indicassem estratégias para os podermos levar a cabo, creio que, para muitos de nós, mesmo que nas duas primeiras semanas do ano os tentássemos cumprir, o momento daquela ritualização, elaborado com especial afinco, enquanto soavam as 12 badaladas, constituía-se como o ponto mais alto do nosso contributo para a realização de cada um deles.

Como há já algum tempo que é notório um movimento crescente na mudança deste paradigma, e acredito que ele se irá propagar, fiz questão de escrever o parágrafo anterior no passado.

É claro que a definição de objetivos é importante. E essa importância está na iminência de ser ampliada porque, bem vistas as coisas, as resoluções que costumamos formar são tão vagas, que dificilmente se constituem como objetivos.

Ou seja, embora tenhamos passado a maior parte da nossa vida a tratá-los como princípios idênticos, resoluções e objetivos são elementos distintos.

E apesar do aparente tempo perdido, no emaranhamento causado pela ilusória semelhança entre os dois, a nosso favor joga o facto de estarmos cada vez mais rodeados de técnicas, que nos permitem agilizar as ferramentas que dispomos, para podermos definir e atingir aquilo que realmente nos pode auxiliar no impulso que pretendemos estimular nas nossas vidas: objetivos.

Afinal, responder à pergunta: “O que posso fazer hoje/esta semana/ este mês/ano, para me sentir mais feliz?” e registar, com papel e caneta, o que sinto que faz o meu coração vibrar, difere largamente de pensar “Quero ser feliz”, enquanto procedo à ingestão de mais uma passa. Se gostarmos muito de passas, a sensação de felicidade até poderá ser aumentada enquanto ela se passeia pelas nossas papilas gustativas, mas trata-se de um impacto de pavio muito curto. É tão breve quanto a estadia do pensamento “Quero ser feliz” na nossa mente.

E é esta a principal diferença entre resoluções e objetivos. As primeiras resumem-se a ideias vagas, que cruzam a nossa mente por breves instantes, sendo rapidamente abalroadas pela agitação de tantos pensamentos que fervilham a cada instante. Os objetivos, por sua vez, implicam que formemos perguntas.

E porque é que perguntar é tão importante?

Porque, na busca da resposta, o que vamos realmente procurar são as nossas chaves, as nossas ferramentas, aquilo que temos em nós e que nos possibilita proximidade com o que queremos obter: os nossos super-poderes!

E porque é que registar essas respostas é importante?

Porque, para além de todos os benefícios inerentes à atividade da escrita manual (aumentar a plasticidade do cérebro, melhorar a atenção, a memória, estimular a criatividade…), ao exercê-la no âmbito de um processo de autoconhecimento, favorecemos que se estabeleça conexão, visto que formamos ondas eletromagnéticas (eletro – cérebro/pensamento; magnéticas – coração/sentimento), o que potencia que, de algum modo, comecemos a materializar e a dar forma àquilo pretendemos obter.

Outro elemento que considero crescente na sociedade é o facto de, atualmente, nos ser possibilitada maior liberdade de escolha. Ou melhor, a liberdade de escolha de cada um, em relação aos objetivos que quer concretizar na sua vida, é – e muito bem -, cada vez mais respeitada. Só que a esta circunstância subjaz a responsabilidade individual. A responsabilidade de cada um, apesar de inserido num todo. Teres a liberdade para escolher o que queres, implica que tenhas responsabilidade por aquilo que colocas a circular no mundo.

E como acabei de perceber que o texto acabará por ser mais extenso do que aquilo tinha pensado, lá vou optar por reparti-lo, aproveitando este momento para fazer o remate desta parte. Sendo assim, e como por aqui se pretende fomentar a Coragem que nos coloca no Caminho do Amor, ainda no embalo da oportunidade da energia da renovação, deixo-te com esta pergunta:

Achas que estás preparado para assumir a responsabilidade da liberdade das tuas escolhas?

Pela Coragem de escolher o Caminho do Amor, com leveza.

Susana Martinho